sicnot

Perfil

Economia

Cervejeira dinamarquesa Carlsberg vai suprimir 2.000 postos de trabalho

A cervejeira dinamarquesa Carlsberg anunciou hoje que vai suprimir 2.000 empregos no âmbito de um plano de cortes para corrigir a tendência negativa dos últimos exercícios, afetados pelo mau andamento dos negócios na Rússia e na China.

Reuters

Reuters

© Ilya Naymushin / Reuters

O anúncio foi feito durante a apresentação de resultados dos primeiros nove meses deste ano, durante os quais a Carlsberg registou prejuízos de 367 milhões de euros.

A eliminação dos postos de trabalho vai centrar-se em pessoal administrativo e vai afetar sobretudo a Ásia, mas também a Europa Ocidental, informou o diretor executivo da Carlsberg, Cees't Hart.

A Carlsberg prevê que as novas medidas originem a partir de 2018 resultados anuais entre 1.500 e 2.000 milhões de coroas dinamarquesas (entre 201 e 268 milhões de euros).

Nos primeiros nove meses deste ano a cervejeira registou prejuízos líquidos de 2.665 milhões de coroas (367 milhões de euros), contra 4.660 milhões de coroas (625 milhões de euros) no mesmo período do ano passado.

Os resultados foram afetados pela deterioração do valor das marcas da Carlsberg na Rússia e na China, avaliada numa perda líquida de 4.499 milhões de coroas (603 milhões de euros no terceiro trimestre).

Os resultados operacionais cifraram-se em 7.048 milhões de coroas (945 milhões de euros) nos primeiros nove meses deste ano, menos 5% do que em idêntico período de 2014.

A faturação aumentou um ponto percentual para 50.698 milhões de coroas dinamarqueses nos primeiros nove meses deste ano em relação ao mesmo período de 2014.

Lusa

  • Partidos exigem explicações sobre transferências para offshores entre 2011 e 2014

    Economia

    O PS junta-se ao PCP, o Bloco de Esquerda e o PSD no pedido para a audição urgente do antigo e o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais sobre a falta de controlo do Fisco às transferências de dinheiro para paraísos fiscais. Em causa está a transferência de 10 mil milhões de euros para offshores. O CSD é o único partido que ainda não se pronunciou.