sicnot

Perfil

Economia

Parque Expo vai avançar com despedimento coletivo previsto desde fevereiro

A comissão liquidatária da Parque Expo confirmou hoje que vai avançar com um novo processo de despedimento coletivo na empresa, tal como estava previsto no processo de liquidação aprovado em fevereiro.

O Parque das Nações e a Baixa são as zonas onde foram vendidas mais  casas de luxo, "com os preços médios de venda no segmento mais alto do mercado  a atingirem perto de 6 mil e 6.800 euros por metro quadrado, respetivamente" (LUSA)

O Parque das Nações e a Baixa são as zonas onde foram vendidas mais  casas de luxo, "com os preços médios de venda no segmento mais alto do mercado  a atingirem perto de 6 mil e 6.800 euros por metro quadrado, respetivamente" (LUSA)

Tiago Petinga

"Nos termos do referido plano de liquidação, atendendo à diminuição da atividade da empresa e o momento do encerramento da liquidação prevista para 30 de setembro de 2016, foi deliberada a redução gradual e faseada dos recursos humanos", indicou a comissão liquidatária à agência Lusa.

Numa nota escrita enviada à Lusa lê-se que o plano de liquidação foi aprovado por unanimidade.

"Imediatamente após a realização da assembleia geral de aprovação do plano de liquidação foi comunicada e esclarecida aos trabalhadores a fundamentação da decisão de redução dos recursos humanos", indicou a comissão liquidatária, frisando que o "processo de despedimento coletivo respeita integralmente o determinado previamente pela assembleia geral de acionistas e legislação laboral em vigor".

Contudo, a comissão liquidatária escusou-se a indicar quantos trabalhadores vão ser abrangidos neste despedimento coletivo.

Num documento divulgado em março deste ano, a comissão liquidatária fez saber que na assembleia geral de fevereiro foi ainda decidido que a venda do Pavilhão de Portugal, no Parque das Nações, em Lisboa -- que foi entretanto entregue a título definitivo à Universidade de Lisboa - iria servir para regularizar parte da dívida da Parque Expo ao Estado.

Foram também indicadas quatro áreas fundamentais para prosseguir o plano: alienação de património imobiliário e de participações financeiras, gestão de intervenções de requalificação urbana e ambiental, conclusão dos projetos em curso e a redução do número de recursos humanos.

Quanto ao Oceanário de Lisboa, este foi concessionado, a 15 de julho deste ano, por um período de 30 anos, à Sociedade Francisco Manuel dos Santos, através da Fundação Oceano Azul. Segundo o anterior Governo, esta sociedade apresentou uma proposta de "mérito inquestionável" que permitirá um encaixe financeiro para o Estado de 114 milhões de euros.

Segundo o mesmo documento, depois de pagas as dívidas da sociedade, os ativos de uso portuário da Marina do Parque das Nações ficarão para o Estado, sob jurisdição do Porto de Lisboa.

O documento lembrou que a transferência da Gare para a gestora da infraestrutura ferroviária Refer já foi efetivada e decidiu dar continuidade aos projetos no âmbito dos programas Polis de requalificação urbana e ambiental.

A redução do número de funcionários, lê-se ainda, deve ser "faseada, consoante as necessidades identificadas", como as atividades do programa Polis e a execução da liquidação dos ativos e negócios pendentes.

Além do plano de liquidação, os acionistas da sociedade Parque Expo aprovaram também o plano de liquidação da empresa e a aplicação de resultados, prevendo-se um resultado líquido de -2,1 milhões de euros entre janeiro e setembro de 2014.

O balanço à data da dissolução (30 de setembro de 2014) indicou um ativo no valor de 131,4 milhões de euros, com destaque para o Oceanário de Lisboa, Pavilhão de Portugal, para os créditos a receber da Câmara Municipal de Lisboa e os lotes de terreno à venda.

O passivo atingiu o montante de 232,3 milhões de euros, sendo o capital próprio negativo de 100,9 milhões de euros.

Em outubro de 2014, os acionistas decidiram que o processo de dissolução da empresa -- criada em 1993 para conceber a Expo'98 e a reconversão urbanística do agora denominado Parque das Nações - deve ocorrer, no máximo, em dois anos.

Nessa altura, os acionistas designaram a comissão liquidatária, que lhes deveria submeter "uma proposta de plano de liquidação no prazo de um mês", com John Michael Crachá do Souto Antunes como presidente e João Manuel Pereira Afonso como vogal.

A extinção da Parque Expo foi anunciada em 2011 pela então ministra do Ambiente, Assunção Cristas.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57