sicnot

Perfil

Economia

Parque Expo vai avançar com despedimento coletivo previsto desde fevereiro

A comissão liquidatária da Parque Expo confirmou hoje que vai avançar com um novo processo de despedimento coletivo na empresa, tal como estava previsto no processo de liquidação aprovado em fevereiro.

O Parque das Nações e a Baixa são as zonas onde foram vendidas mais  casas de luxo, "com os preços médios de venda no segmento mais alto do mercado  a atingirem perto de 6 mil e 6.800 euros por metro quadrado, respetivamente" (LUSA)

O Parque das Nações e a Baixa são as zonas onde foram vendidas mais  casas de luxo, "com os preços médios de venda no segmento mais alto do mercado  a atingirem perto de 6 mil e 6.800 euros por metro quadrado, respetivamente" (LUSA)

Tiago Petinga

"Nos termos do referido plano de liquidação, atendendo à diminuição da atividade da empresa e o momento do encerramento da liquidação prevista para 30 de setembro de 2016, foi deliberada a redução gradual e faseada dos recursos humanos", indicou a comissão liquidatária à agência Lusa.

Numa nota escrita enviada à Lusa lê-se que o plano de liquidação foi aprovado por unanimidade.

"Imediatamente após a realização da assembleia geral de aprovação do plano de liquidação foi comunicada e esclarecida aos trabalhadores a fundamentação da decisão de redução dos recursos humanos", indicou a comissão liquidatária, frisando que o "processo de despedimento coletivo respeita integralmente o determinado previamente pela assembleia geral de acionistas e legislação laboral em vigor".

Contudo, a comissão liquidatária escusou-se a indicar quantos trabalhadores vão ser abrangidos neste despedimento coletivo.

Num documento divulgado em março deste ano, a comissão liquidatária fez saber que na assembleia geral de fevereiro foi ainda decidido que a venda do Pavilhão de Portugal, no Parque das Nações, em Lisboa -- que foi entretanto entregue a título definitivo à Universidade de Lisboa - iria servir para regularizar parte da dívida da Parque Expo ao Estado.

Foram também indicadas quatro áreas fundamentais para prosseguir o plano: alienação de património imobiliário e de participações financeiras, gestão de intervenções de requalificação urbana e ambiental, conclusão dos projetos em curso e a redução do número de recursos humanos.

Quanto ao Oceanário de Lisboa, este foi concessionado, a 15 de julho deste ano, por um período de 30 anos, à Sociedade Francisco Manuel dos Santos, através da Fundação Oceano Azul. Segundo o anterior Governo, esta sociedade apresentou uma proposta de "mérito inquestionável" que permitirá um encaixe financeiro para o Estado de 114 milhões de euros.

Segundo o mesmo documento, depois de pagas as dívidas da sociedade, os ativos de uso portuário da Marina do Parque das Nações ficarão para o Estado, sob jurisdição do Porto de Lisboa.

O documento lembrou que a transferência da Gare para a gestora da infraestrutura ferroviária Refer já foi efetivada e decidiu dar continuidade aos projetos no âmbito dos programas Polis de requalificação urbana e ambiental.

A redução do número de funcionários, lê-se ainda, deve ser "faseada, consoante as necessidades identificadas", como as atividades do programa Polis e a execução da liquidação dos ativos e negócios pendentes.

Além do plano de liquidação, os acionistas da sociedade Parque Expo aprovaram também o plano de liquidação da empresa e a aplicação de resultados, prevendo-se um resultado líquido de -2,1 milhões de euros entre janeiro e setembro de 2014.

O balanço à data da dissolução (30 de setembro de 2014) indicou um ativo no valor de 131,4 milhões de euros, com destaque para o Oceanário de Lisboa, Pavilhão de Portugal, para os créditos a receber da Câmara Municipal de Lisboa e os lotes de terreno à venda.

O passivo atingiu o montante de 232,3 milhões de euros, sendo o capital próprio negativo de 100,9 milhões de euros.

Em outubro de 2014, os acionistas decidiram que o processo de dissolução da empresa -- criada em 1993 para conceber a Expo'98 e a reconversão urbanística do agora denominado Parque das Nações - deve ocorrer, no máximo, em dois anos.

Nessa altura, os acionistas designaram a comissão liquidatária, que lhes deveria submeter "uma proposta de plano de liquidação no prazo de um mês", com John Michael Crachá do Souto Antunes como presidente e João Manuel Pereira Afonso como vogal.

A extinção da Parque Expo foi anunciada em 2011 pela então ministra do Ambiente, Assunção Cristas.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.