sicnot

Perfil

Economia

Patrões não aceitam esvaziamento da concertação social

Patrões não aceitam esvaziamento da concertação social

Os patrões estão contra a proposta da esquerda de aumentar o salário mínimo nacional para 600 euros. E foi isto que disseram esta manhã ao Presidente da república que começou a ouvir os parceiros sociais. A Confederação da Indústria (CIP) admite mesmo que o aumento salarial pode levar a despedimentos.

  • Arménio Carlos diz que concertação não pode servir de espaço de bloqueio
    0:45

    Novo Governo

    A CGTP foi hoje recebida pelo PS, num encontro na Assembleia da República para discutir as questões laborais e o salário mínimo nacional, remas que podem e devem ser discutidos na concertação social mas também e sobretudo no Parlamento, centro da democracia. Arménio Carlos diz mesmo que a concertação social não pode ser um espaço de bloqueio ou de pressão em resposta às criticas do presidente da CIP.

  • Acordo da esquerda é tentativa de esvaziar concertação social, acusa CIP
    0:46

    Novo Governo

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) considera que o acordo assinado pela esquerda é uma tentativa de esvaziar a concertação social e avisa que não vão permitir que isso aconteça. Após a audiência com o Presidente da República, António Saraiva acusou diretamente a CGTP de estar a pôr em causa da estabilidade do país.

  • Cavaco começa a ouvir parceiros sociais
    2:18

    Novo Governo

    O país continua suspenso da decisão que Cavaco Silva vai tomar quanto ao futuro da governabilidade. O Presidente da República começa a ouvir os parceiros sociais esta sexta-feira, dois dias depois da moção de rejeição que fez cair do Governo PSD/CDS. Cavaco Silva reuniu esta quarta-feira com Pedro Passos Coelho, durante cerca de uma hora, sem quaisquer declarações. Antes, recebeu Ferro Rodrigues em audiência. O presidente da Assembleia da República sugeriu celeridade na resolução do impasse criado com a queda do Governo.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06