sicnot

Perfil

Economia

Execução de fundos comunitários "muito boa" em Portugal até 2014

O presidente do Tribunal de Contas Europeu, Vítor Caldeira, afirmou hoje que a execução por Portugal dos fundos comunitários foi "muito boa" até 2014, mas sublinhou a importância de avaliar a sustentabilidade dos projetos financiados.

(LUSA/ Arquivo)

"Eu penso que até 2014 a execução financeira dos fundos comunitários por Portugal foi muito boa, mas aquilo que é preciso saber é se os projetos que foram financiados são sustentáveis, se tiveram impacto na vida das pessoas, se fizeram a diferença em termos da economia e se criaram emprego", disse o responsável no final da apresentação, em Lisboa, do relatório anual do Tribunal de Contas Europeu (TCE) relativo ao exercício de 2014.

De acordo com Vitor Caldeira, para lá do sucesso na taxa de execução também é necessário saber "se tiveram resultados que corresponderam aos objetivos definidos para esses projetos e para esses programas".

"Isto não se consegue dizer agora. É preciso esperar dois, três, quatro ou cinco anos para ter uma apreciação perfeita e completa do seu impacto", esclareceu.

"Portugal usou - há sempre erros em geral - de forma correta os fundos comunitários", disse Vitor Caldeira, que defendeu a necessidade de "contrariar" o atraso dos pagamentos, afirmando que "os fundos estão disponibilizados e Portugal precisa que sejam investidos naquilo que tem impacto na vida das sociedades e que pode fazer a diferença para os cidadãos".

Para Vitor Caldeira, a grande recomendação do TCE é que "o investimento feito a partir dos fundos disponibilizados pela União Europeia (...) faça a diferença".

Em 2014, a União Europeia investiu 142,5 mil milhões de euros, isto é, cerca de 285 euros por cidadão.

Quanto aos fluxos financeiros, Portugal contribuiu com 1,7 mil milhões de euros para o orçamento da UE, tendo beneficiado de pagamentos no montante de 3,2 mil milhões de euros.

No final de 2014, contudo, a taxa média de absorção relativa à utilidade dos fundos comunitários era de 77%, variando entre os 50% e os 92%.

Portugal apresentava uma taxa de absorção de 92%, segundo o TCE.

Lusa

  • Marco Silva vai treinar o Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva assinou contrato com o Watford, da Liga Inglesa. O emblema que terminou a última Premier League na 17ª posição, a última antes dos lugares de descida, ganhou assim a corrida ao Crystal Palace e ao FC Porto, que também tentaram contratar o técnico.

  • "A maior conquista foi construir estabilidade"
    2:14

    Economia

    António Costa voltou esta sexta-feira a garantir que a partir de junho nenhum subsídio de desemprego será inferior a 421 euros por mês. O primeiro-ministro falava nas jornadas parlamentares do PS, onde afirmou que a estabilidade é a maior conquista deste Governo.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11
  • Uma foto para a história

    Mundo

    As mulheres dos líderes mundiais que se reúnem nas cimeiras da NATO posam para a fotografia oficial das primeiras-damas. A deste ano é histórica. Pela primeira vez, há um marido de um primeiro-ministro entre as nove mulheres. Trata-se de Gauthier Destenay, casado com o líder do Luxemburgo.