sicnot

Perfil

Economia

FMI defende continuação da moderação salarial em países como Portugal

Um estudo de economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) defende a continuação da moderação salarial em países como Portugal, considerando que tem um impacto positivo na criação de emprego e no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).

© Dado Ruvic / Reuters

De acordo com uma 'Nota para Discussão' de uma equipa de 10 economistas do FMI, que se centra sobretudo nos países da zona euro atingidos pela crise -- Portugal, Espanha, Grécia, Irlanda e Itália -, apesar de já haver um processo de crescimento moderado dos salários nominais, com estes a reduzirem-se face à produtividade, é necessário "mais moderação salarial" para aumentar o emprego e evitar que essas economias regressem aos défices da balança de conta corrente com a recuperação económica.

Os economistas defendem que essa moderação salarial teria um efeito positivo na competitividade, tornando a compra de bens e serviços mais baratos e ajudando as exportações, mas também na procura interna devido à riqueza trazida pelo aumento das exportações, ainda que mitigado por um efeito negativo de um aumento real das taxas de juro.

Perante uma economia em crise, a 'receita' do FMI tem passado por desvalorizar a moeda para com isso reduzir o valor real dos salários e das taxas de juro. No entanto, isso não é possível nos países da zona euro, como Portugal, que não têm uma divisa própria para controlar.

O FMI tem defendido então a chamada 'desvalorização interna', nomeadamente através da redução nominal dos custos como os salários, e neste documento os economistas da instituição liderada por Christine Lagarde dizem que não deve ser abandonada a moderação salarial, isto quando em Portugal se discute o aumento do salário mínimo e a reposição dos salários na função pública.

Este estudo tenta também perceber os efeitos sobre as economias quando a moderação salarial é levada a cabo apenas por um país ou quando vários a fazem simultâneo.

Tendo em conta o pressuposto de uma redução do crescimento nominal dos salários em dois pontos percentuais, se apenas um país fizer a moderação salarial há um efeito "fortemente positivo", destacam os economistas, que estimam um aumento de 1% do PIB face ao cenário base no segundo ano e 2% no terceiro ano.

Já se todos os países reduzissem a inflação salarial em dois pontos percentuais, haveria uma expansão do PIB de apenas 1% no terceiro ano.

O FMI conclui, assim, que quanto mais países levarem a cabo a moderação salarial, menos é o efeito, mas que há sempre um impacto positivo de uma política de moderação salarial.

Por fim, é defendido que a moderação salarial seja combinada com uma política monetária de estímulo à economia e com reformas estruturais, o que -- consideram os economistas -- teria efeitos agregados importantes não só nos países em crise como em toda a zona euro.

Lusa

  • Marcar cedo e resistir (ou como Portugal venceu Marrocos)

    Mundial 2018 / Portugal

    A seleção nacional alcançou hoje a primeira vitória no Mundial 2018, frente a Marrocos, em Moscovo. Cristiano Ronaldo (outra vez) marcou logo aos quatro minutos. Depois, Portugal pouco mais fez senão aguentar as investidas dos marroquinos, que ficam desde já afastados dos oitavos de final.

  • Fernando Santos dá um puxão de orelhas à equipa
    1:57
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • Ronaldo, o motivador
    3:23
  • Os "memes" do desempenho de Cristiano Ronaldo frente a Marrocos
    1:25
  • Cristiano Ronaldo: o melhor do jogo, o melhor do Mundial, o melhor do mundo

    Mundial 2018 / Portugal

    Apesar da prestação de Rui Patrício na defesa da baliza lusa, Cristiano Ronaldo foi eleito o homem do jogo, pela segunda vez consecutiva, depois de marcar o golo que deu a vitória a Portugal frente a Marrocos. O capitão português ofereceu à equipa os três pontos essenciais para a eventual passagem aos oitavos de final. Mas Ronaldo não fica por aqui. Contas feitas, CR7 é o melhor marcador do Mundial (4 golos em 2 jogos) e já marcou 85 golos por Portugal, feito nunca antes alcançado nem por Eusébio nem por Pauleta. No auge dos 33 anos, há quem diga que Ronaldo "é como o vinho do Porto". Será que ainda vai chegar à marca dos 100? Parece que, para o CR7, nada é impossível.

  • Parecia que Rui Patrício tinha cola nas luvas
    5:40
  • Os momentos descontraídos dos jogadores que estão no Mundial
    1:54
  • Selecionador de Marrocos queixa-se da arbitragem
    1:41
  • Georgina Rodriguez assistiu ao jogo de Portugal e acenou a Ronaldo
    1:05
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49