sicnot

Perfil

Economia

FMI defende continuação da moderação salarial em países como Portugal

Um estudo de economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) defende a continuação da moderação salarial em países como Portugal, considerando que tem um impacto positivo na criação de emprego e no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).

© Dado Ruvic / Reuters

De acordo com uma 'Nota para Discussão' de uma equipa de 10 economistas do FMI, que se centra sobretudo nos países da zona euro atingidos pela crise -- Portugal, Espanha, Grécia, Irlanda e Itália -, apesar de já haver um processo de crescimento moderado dos salários nominais, com estes a reduzirem-se face à produtividade, é necessário "mais moderação salarial" para aumentar o emprego e evitar que essas economias regressem aos défices da balança de conta corrente com a recuperação económica.

Os economistas defendem que essa moderação salarial teria um efeito positivo na competitividade, tornando a compra de bens e serviços mais baratos e ajudando as exportações, mas também na procura interna devido à riqueza trazida pelo aumento das exportações, ainda que mitigado por um efeito negativo de um aumento real das taxas de juro.

Perante uma economia em crise, a 'receita' do FMI tem passado por desvalorizar a moeda para com isso reduzir o valor real dos salários e das taxas de juro. No entanto, isso não é possível nos países da zona euro, como Portugal, que não têm uma divisa própria para controlar.

O FMI tem defendido então a chamada 'desvalorização interna', nomeadamente através da redução nominal dos custos como os salários, e neste documento os economistas da instituição liderada por Christine Lagarde dizem que não deve ser abandonada a moderação salarial, isto quando em Portugal se discute o aumento do salário mínimo e a reposição dos salários na função pública.

Este estudo tenta também perceber os efeitos sobre as economias quando a moderação salarial é levada a cabo apenas por um país ou quando vários a fazem simultâneo.

Tendo em conta o pressuposto de uma redução do crescimento nominal dos salários em dois pontos percentuais, se apenas um país fizer a moderação salarial há um efeito "fortemente positivo", destacam os economistas, que estimam um aumento de 1% do PIB face ao cenário base no segundo ano e 2% no terceiro ano.

Já se todos os países reduzissem a inflação salarial em dois pontos percentuais, haveria uma expansão do PIB de apenas 1% no terceiro ano.

O FMI conclui, assim, que quanto mais países levarem a cabo a moderação salarial, menos é o efeito, mas que há sempre um impacto positivo de uma política de moderação salarial.

Por fim, é defendido que a moderação salarial seja combinada com uma política monetária de estímulo à economia e com reformas estruturais, o que -- consideram os economistas -- teria efeitos agregados importantes não só nos países em crise como em toda a zona euro.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.