sicnot

Perfil

Economia

Fidelização motiva quase metade das reclamações de telecomunicações à Deco

Das 42.530 reclamações sobre telecomunicações enviadas este ano à associação de consumidores Deco, quase metade (17.996) foi por causa da fidelização de 24 meses imposta pelas operadoras, um prazo que os deputados vão debater hoje em reunião plenária.

(Arquivo)

(Arquivo)

O debate é motivado por uma petição, assinada por quase 158 mil consumidores, que pede a alteração da lei, reduzindo o período atual de 24 meses de fidelização e o estabelecimento do critério de cálculo da penalização a pagar pelo consumidor quando desrespeita o período de fidelização.

"Nada está regulamentado. Na prática, não há qualquer proteção do consumidor no que diz respeito à fidelização e a lei atual permite [às operadoras] cobrar o que se quiser" como penalização, afirmou o coordenador do Departamento de Estudos e Apoio ao Consumidor da Deco, Paulo Fonseca, à Lusa.

Na petição, a Deco pede uma redução do período de fidelização de 24 meses, mas sem definir ou sugerir um novo período, porque a associação defende que esse prazo deve resultar de um trabalho do setor das telecomunicações, com associações de consumidores e o regulador (ANACOM).

"O que pedimos é a criação de uma norma que defina os critérios da determinação dos encargos a suportar, caso o consumidor rescinda o contrato antes de cumprido o prazo de fidelização", precisou o jurista, adiantando que a Deco pede ainda aos deputados critérios de determinação dos encargos "razoáveis e proporcionais".

A associação considera que cobrar valores de penalização elevados é um entrave à mudança de operador de telecomunicações, mas lembra que no resto da Europa a fidelização também é exigida aos consumidores, baseando-se na transposição de uma diretiva comunitária que estabelece que os Estados-membros não podem permitir que seja cobrado ao consumidor um período de fidelização superior a 24 meses, dando aos países a liberdade de escolha do período.

"Há países, como o Reino Unido, que diminuiu o período de fidelização para 12 meses. Outros, como a Dinamarca, que têm um prazo de seis meses mas com uma penalização superior. Portugal colou-se ao período máximo permitido, de 24 meses", explicou.

A Deco não é contra o período de fidelização: "Percebemos que os preços são mais baratos porque há uma expectativa de ir amortizando os equipamentos. Mas achamos que 24 meses vai para além da amortização expectável e consiste num enriquecimento sem causa dos operadores", conclui Paulo Fonseca.

Lusa

  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Cada vez mais pessoas viajam no Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • As crianças que estão a morrer à fome em África

    Mundo

    A UNICEF alertou esta terça-feira que a má nutrição aguda que afeta a Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iémen coloca este ano em "iminente" risco de morte 1,4 milhões de crianças devido à fome que existe naqueles países. São milhares de casos de um incessante desespero numa luta diária pela sobrevivência.

  • Mundo tornou-se "mais sombrio e mais instável" em 2016

    Mundo

    O mundo tornou-se em 2016 "um local mais sombrio e mais instável", devido ao agravamento de conflitos como a Síria e dos "discursos do ódio" na Europa e Estados Unidos, considerou hoje a Amnistia Internacional no seu relatório anual.

  • Semáforos no chão para os mais distraídos

    Mundo

    Na cidade holandesa de Bodegraven, está a ser testado um sistema de semáforos para quem usa o telemóvel na rua. Estes semáforos têm a forma de faixas, que são colocadas no chão, e a luz muda de cor consoante o trânsito, tal como os semáforos já existentes.

    André de Jesus

  • Carro "desgovernado" entra em loja e atropela cliente

    Mundo

    O cliente de um mini-mercado no condado de Bronx, em Nova Iorque, sobreviveu de forma incrível ao impacto de um automóvel que entrou loja adentro. Apesar da violência das imagens, o homem sobreviveu e conseguiu mesmo sair da loja pelo próprio pé até ser transportado para o hospital.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.

  • Pulseira deixa sentir os movimentos do bebé ainda na barriga da mãe

    Mundo

    A pulseira Fibo permite que os futuros pais (ou mães) consigam sentir os seus filhos a dar pontapés ainda na barriga da mãe. Desenvolvida por um designer de joias da Dinamarca, a pulseira vai transmitir os movimentos do bebé no útero, de modo a que os pais possam partilhar essa experiência da gravidez.

  • Cães desfilam no Rio de Janeiro
    1:00

    Mundo

    O tradicional cortejo de Carnaval brasileiro só acontece daqui a uns dias, mas no Rio de Janeiro já há inúmeros desfiles pelas ruas. Na praia de Copacabana, os animais mascararam-se de humanos.