sicnot

Perfil

Economia

Fidelização motiva quase metade das reclamações de telecomunicações à Deco

Das 42.530 reclamações sobre telecomunicações enviadas este ano à associação de consumidores Deco, quase metade (17.996) foi por causa da fidelização de 24 meses imposta pelas operadoras, um prazo que os deputados vão debater hoje em reunião plenária.

(Arquivo)

(Arquivo)

O debate é motivado por uma petição, assinada por quase 158 mil consumidores, que pede a alteração da lei, reduzindo o período atual de 24 meses de fidelização e o estabelecimento do critério de cálculo da penalização a pagar pelo consumidor quando desrespeita o período de fidelização.

"Nada está regulamentado. Na prática, não há qualquer proteção do consumidor no que diz respeito à fidelização e a lei atual permite [às operadoras] cobrar o que se quiser" como penalização, afirmou o coordenador do Departamento de Estudos e Apoio ao Consumidor da Deco, Paulo Fonseca, à Lusa.

Na petição, a Deco pede uma redução do período de fidelização de 24 meses, mas sem definir ou sugerir um novo período, porque a associação defende que esse prazo deve resultar de um trabalho do setor das telecomunicações, com associações de consumidores e o regulador (ANACOM).

"O que pedimos é a criação de uma norma que defina os critérios da determinação dos encargos a suportar, caso o consumidor rescinda o contrato antes de cumprido o prazo de fidelização", precisou o jurista, adiantando que a Deco pede ainda aos deputados critérios de determinação dos encargos "razoáveis e proporcionais".

A associação considera que cobrar valores de penalização elevados é um entrave à mudança de operador de telecomunicações, mas lembra que no resto da Europa a fidelização também é exigida aos consumidores, baseando-se na transposição de uma diretiva comunitária que estabelece que os Estados-membros não podem permitir que seja cobrado ao consumidor um período de fidelização superior a 24 meses, dando aos países a liberdade de escolha do período.

"Há países, como o Reino Unido, que diminuiu o período de fidelização para 12 meses. Outros, como a Dinamarca, que têm um prazo de seis meses mas com uma penalização superior. Portugal colou-se ao período máximo permitido, de 24 meses", explicou.

A Deco não é contra o período de fidelização: "Percebemos que os preços são mais baratos porque há uma expectativa de ir amortizando os equipamentos. Mas achamos que 24 meses vai para além da amortização expectável e consiste num enriquecimento sem causa dos operadores", conclui Paulo Fonseca.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida