sicnot

Perfil

Economia

Fidelização motiva quase metade das reclamações de telecomunicações à Deco

Das 42.530 reclamações sobre telecomunicações enviadas este ano à associação de consumidores Deco, quase metade (17.996) foi por causa da fidelização de 24 meses imposta pelas operadoras, um prazo que os deputados vão debater hoje em reunião plenária.

(Arquivo)

(Arquivo)

O debate é motivado por uma petição, assinada por quase 158 mil consumidores, que pede a alteração da lei, reduzindo o período atual de 24 meses de fidelização e o estabelecimento do critério de cálculo da penalização a pagar pelo consumidor quando desrespeita o período de fidelização.

"Nada está regulamentado. Na prática, não há qualquer proteção do consumidor no que diz respeito à fidelização e a lei atual permite [às operadoras] cobrar o que se quiser" como penalização, afirmou o coordenador do Departamento de Estudos e Apoio ao Consumidor da Deco, Paulo Fonseca, à Lusa.

Na petição, a Deco pede uma redução do período de fidelização de 24 meses, mas sem definir ou sugerir um novo período, porque a associação defende que esse prazo deve resultar de um trabalho do setor das telecomunicações, com associações de consumidores e o regulador (ANACOM).

"O que pedimos é a criação de uma norma que defina os critérios da determinação dos encargos a suportar, caso o consumidor rescinda o contrato antes de cumprido o prazo de fidelização", precisou o jurista, adiantando que a Deco pede ainda aos deputados critérios de determinação dos encargos "razoáveis e proporcionais".

A associação considera que cobrar valores de penalização elevados é um entrave à mudança de operador de telecomunicações, mas lembra que no resto da Europa a fidelização também é exigida aos consumidores, baseando-se na transposição de uma diretiva comunitária que estabelece que os Estados-membros não podem permitir que seja cobrado ao consumidor um período de fidelização superior a 24 meses, dando aos países a liberdade de escolha do período.

"Há países, como o Reino Unido, que diminuiu o período de fidelização para 12 meses. Outros, como a Dinamarca, que têm um prazo de seis meses mas com uma penalização superior. Portugal colou-se ao período máximo permitido, de 24 meses", explicou.

A Deco não é contra o período de fidelização: "Percebemos que os preços são mais baratos porque há uma expectativa de ir amortizando os equipamentos. Mas achamos que 24 meses vai para além da amortização expectável e consiste num enriquecimento sem causa dos operadores", conclui Paulo Fonseca.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.

  • Pensões vão subir em janeiro

    Economia

    As pensões vão subir entre 1 e 1,8% em janeiro próximo. O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou esta quinta-feira o valor da inflação, que vai definir a atualização das reformas em 2018.

  • Investigação australiana recomenda fim do celibato na Igreja Católica

    Mundo

    Uma investigação australiana sobre abuso sexual de crianças recomendou hoje à Igreja Católica que levante a exigência de celibato ao clero, de acordo com o relatório final. O mesmo documento, com 189 recomendações e 17 volumes, indicou que deve também ser esclarecido até onde vai o segredo da confissão quando estão em causa provas de crimes contra menores.

  • Trabalhos de estabilização de solos nas áreas ardidas começam na Lousã
    1:24

    País

    Vários concelhos afetados pelos incêndios estão a começar a receber uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas. O trabalho arrancou esta quinta-feira na zona da Lousã e tem como objetivo reduzir o impacto da chuva nos terrenos afetados pelos fogos. Nos trabalhos, estão presentes o Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro e a Força Especial de Bombeiros.

  • Anúncio de lince ibérico no OLX sob investigação
    1:25

    País

    A GNR está a investigar um anúncio de venda de um lince ibérico no site de classificados OLX. As autoridades admitem poder tratar-se de uma bricandeira, mas sendo o lince uma espécie protegida e a sua captura e venda um crime, o caso está a ser investigado. O anúncio foi entretanto retirado do site.