sicnot

Perfil

Economia

Eurogrupo analisa hoje planos orçamentais para 2016 ainda à espera de Portugal

Os ministros das Finanças da zona euro reúnem-se hoje, em Bruxelas, para análise dos planos orçamentais para 2016 apresentados pelos Estados-membros, mas sem ter ainda em sua posse o documento português.

Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo

Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo

© Francois Lenoir / Reuters

Esta reunião extraordinária do Eurogrupo, na qual Portugal estará representado pela ministra Maria Luís Albuquerque, terá lugar num contexto particular, com Bruxelas sob alerta máximo devido a uma ameaça terrorista "séria e iminente" - decretado na madrugada de sábado e prolongado no domingo pelo menos até hoje -, estando a sede do Conselho da União Europeia, assim como as restantes instituições, rodeadas de fortes medidas de segurança, incluindo a presença de militares fortemente armados.

A discussão no Eurogrupo sobre os "esboços" de orçamentos para o próximo ano terá como base os pareces emitidos há exatamente uma semana pela Comissão Europeia, que na ocasião voltou a lamentar o facto de, pela primeira vez desde que é levado a cabo este exercício no quadro do semestre europeu de coordenação de políticas económicas, um Estado-membro, Portugal, não ter apresentado o anteprojeto orçamental no prazo previsto.

"Sublinho que é a primeira vez que tal acontece. É uma situação que podemos compreender, atendendo ao contexto político complicado, mas que também é lamentável. Pedimos ao novo Governo português, assim que estiver em funções, que nos faça chegar o seu plano o mais rapidamente possível", declarou a 16 de novembro o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici.

De acordo com as regras do "semestre europeu", os países do Euro devem apresentar os seus anteprojetos orçamentais para o ano seguinte até 15 de outubro, mas o Governo português decidiu adiar a apresentação do documento devido às eleições legislativas de 04 de outubro.

Portugal foi o primeiro país a falhar o prazo de entrega do plano orçamental para o ano seguinte desde a entrada em vigor do duplo pacote legislativo de reforço da supervisão orçamental na área euro (o chamado 'two pack'), em 2013, e continua sem remeter o documento a Bruxelas, face à situação política no país, após a 'queda' do Governo PSD/CDS-PP.

Na discussão de hoje, as atenções focam-se nos planos orçamentais de França, a segunda maior economia da zona euro, depois de Paris ter anunciado na semana passada que iria falhar os seus compromissos europeus de redução do défice público, uma vez que irá ter gastos extraordinários com o reforço de meios humanos e materiais na luta antiterrorista, após os atentados de 13 de novembro em Paris.

Entretanto, hoje, à margem da reunião do Eurogrupo, o fundo permanente de resgate da zona euro vai aprovar o desembolso de 2 mil milhões de euros para a Grécia, revelou na passada sexta-feira o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem.

"Com base na informação definitiva disponibilizada pelas instituições sobre o cumprimento (das medidas acordadas com os credores), o grupo de trabalho do euro afirmou que as autoridades gregas completaram o primeiro pacote de ações prévias e medidas do setor financeiro essenciais para um processo de recapitalização com êxito", disse Dijsselbloem.

Este pagamento de 2 mil milhões de euros, pelo qual Atenas aguardava há muito, é feito no âmbito do empréstimo concedido em julho à Grécia, o terceiro em cinco anos, num montante de 86 mil milhões de euros, pago ao longo de três anos, para evitar uma saída do país da zona euro.

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Romelu Lukaku: força, potência e intensidade

    Mundial 2018 / Bélgica

    O avançado Romelu Lukaku foi eleito o Homem do Jogo entre Bélgica e Panamá. Num registo ofensivo em que a força e a potência são pilares para o sucesso junto às redes adversárias, Lukaku representa uma ameaça temível para qualquer defesa. Aos 25 anos, o ponta de lança que José Mourinho foi buscar ao Everton para dar outra intensidade ao ataque do Manchester United vive o melhor momento da carreira. Para já, assume-se como um candidato de respeito na corrida à Bota de Ouro deste Mundial.

  • Andreas Granqvist: o homem que destronou Ibrahimović

    Mundial 2018 / Suécia

    Depois de marcar o penálti que garantiu a vitória da Suécia frente à República da Coreia, Andreas Granqvist conquistou o título de homem do jogo. O capitão da equipa sueca foi também o vencedor da Bola de Ouro atribuída ao melhor futebolista sueco, em 2017, roubando o prémio ao carismático Ibrahimović, que já recebia a distinção há 10 anos consecutivos. Granqvist deu a vitória à Suécia e colocou a seleção escandinava no topo do grupo F, ao lado do México. Aos 32 anos, o defesa central é já um conhecedor dos relvados russos, já que alinha no FK Krasnodar.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Madonna esteve no Terreiro do Paço a ver o Brasil-Suíça
    0:15
  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC