sicnot

Perfil

Economia

Metade dos pescadores compensados até final do mês pela paragem da pesca da sardinha

O Governo vai pagar até ao final do mês metade dos apoios aos armadores e pescadores que estão parados por não poderem pescar sardinha, garantiu hoje fonte da tutela, depois de os sindicatos denunciarem atrasos nos pagamentos.

© Lucy Nicholson / Reuters

Fonte oficial do Ministério da Agricultura e do Mar (MAM) disse à agência Lusa que, "no final deste mês, devem ser pagos" os apoios referentes a 50 embarcações, de um total de 131 que recorreram às compensações, por estarem proibidas de pescar sardinha, na sequência do esgotamento dos limites de captura estabelecidos.

Algumas já foram pagas e as restantes "serão pagas no próximo mês", correspondendo a 2,3 milhões de euros, acrescentou.

A Federação dos Sindicatos do Setor da Pesca denunciou hoje que os pescadores do cerco, que estimou em cerca de mil, ainda não receberam quaisquer apoios previstos de setembro a novembro e que as suas famílias estão a "desesperar", uma vez que os atrasos nos pagamentos chegam aos três meses, como nos casos de Peniche e da Nazaré, que deixaram de pescar no final de agosto.

A mesma fonte do MAM explicou que, como a paragem da pesca da sardinha "foi faseada", a entrega de candidaturas também o foi, tendo sido formalizadas 67 em setembro e cerca de 60 em outubro de um total de 131, algumas das quais já foram pagas.

A demora nos pagamentos foi justificada com procedimentos, previstos no regulamento comunitário e na legislação nacional, que obrigam, por exemplo, à verificação da existência de dívidas ao fisco e à segurança social por parte das empresas do setor.

Para dezembro, não vão haver compensações, disse entretanto à Lusa o presidente da Associação Nacional das Organizações da Pesca do Cerco (ANOP Cerco) no final de uma reunião da comissão de acompanhamento da sardinha, em que têm também assento a Autoridade de Gestão da Pesca Portuguesa (atualmente a Direção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos - DGRM), Instituto Nacional de Recursos Biológicos, IPIMAR, Docapesca e Anicp - Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe.

" Foi assumida pelo senhor diretor-geral que já não há tempo nem condições para haver apoios em dezembro para as imobilizações temporárias das embarcações, oriundos dos novos fundos comunitários, porque o programa ainda não foi aprovado. Resta ainda uma esperança para os meses de janeiro e fevereiro", afirmou Humberto Jorge à agência Lusa.

Fonte do MAM esclareceu que, como preveem os regulamentos, os apoios têm uma validade de três meses, o que significa que as candidaturas que entraram em outubro têm apoios garantidos até dezembro.

"Provavelmente, as embarcações vão ter de voltar ao mar, não para pescar sardinha, mas para tentar pescar outras espécies e tentar gerar algum rendimento para as empresas e para os pescadores", disse o dirigente associativo.

Na reunião da comissão da sardinha, o setor da pesca soube também que "por falta de meios financeiros" ainda não foi realizada a expedição científica, prometida para este mês, para avaliar o 'stock' de sardinha.

Sem investigação até agora e com o Governo em gestão, o setor aponta atrasos nas negociações com Espanha e com a União Europeia e, em consequência, na definição dos limites de captura para 2016.

Lusa

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    País

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.