sicnot

Perfil

Economia

CGD, BCP e BPI passam nos exercícios de transparência do regulador europeu

Os bancos portugueses CGD, BCP e BPI passaram nos exercícios de transparência da Autoridade Bancária Europeia divulgados esta terça-feira, ainda que com rácios de capital abaixo da média europeia.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Estes exercícios da Autoridade Bancária Europeia (EBA na sigla inglês) abrangeram 105 bancos de 21 países europeus e avaliaram o balanço de cada um com base nos dados disponíveis, tendo o regulador bancário verificado que os bancos têm vindo a "fortalecer" as suas posições de capital.

Tendo em conta os dados de final de junho deste ano, no total, os três bancos portugueses analisados apresentaram em média um rácio de capital 'fully loaded' CET 1 de 9,3%, CET1 (Common Equity Tier 1) de 11,6%, 'Tier 1' de 11,7%, sendo o total de 12,8%.

Segundo a EBA, os bancos tinham de apresentar mínimos de 8% no rácio de capital total, 6% no Tier 1 e 4,5% no CET1, pelo que todos os bancos europeus analisados passaram no teste.

Quanto aos três bancos portugueses analisados, os valores dos rácios de solvabilidade -- que indicam a capacidade de uma instituição financeira fazer face a um período de instabilidade -- ficaram abaixo da média dos bancos europeus.

Na média dos 105 bancos, o agregado do rácio de capital CET foi de 12,8%, o Tier 14.0% e o total de 16,7%. Já o rácio 'fully loaded CET1' - sem os ajustamentos de transição - foi de 11,8%.

Os exercícios de transparência são levados a cabo pela EBA todos os anos, sendo distintos dos mais conhecidos testes de stresse.

Enquanto os exercícios de transparência avaliam o banco com base nos dados atualizados do seu balanço, os testes de resistência sujeitam esse balanço a choques negativos (como queda da economia ou aumento do desemprego), para avaliar a resiliência de um banco numa situação de crise e fazem também projeções para os próximos anos.

Lusa

  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.