sicnot

Perfil

Economia

DECO diz que Volkswagen trata consumidores europeus e americanos de maneira diferente

A DECO acusou esta terça-feira a Volkswagen de promover um tratamento desigual entre os consumidores americanos e europeus e queixou-se da falta de resposta das autoridades públicas.

© Ina Fassbender / Reuters

Segundo o jurista da DECO Luís Pisco, a subsidiária americana do grupo Volkswagen está a tomar medidas adicionais para ressarcir os clientes afetados pela fraude das emissões de dióxido de carbono, oferecendo vales para gastar em serviços da marca, o que não acontece na Europa.

A DECO lamentou, por outro lado, que continue a haver muitas questões por responder nomeadamente, como é que os consumidores irão ser compensados pelos seus danos, quando é que se vai iniciar o processo de recolha dos veículos e por quanto tempo durará o processo.

"Os consumidores, em Portugal, continuam apreensivos relativamente aos efeitos fiscais que este processo de recolha terá, no futuro, sobre os seus carros", vincou a associação de consumidores num comunicado.

A DECO disponibilizou um formulário 'online' destinado aos proprietários dos veículos afetados no qual já se registaram cerca de 4.500 consumidores, que poderão ir acompanhando o desenvolvimento dos seus casos.

O objetivo é "precaver junto do fabricante" que todos os consumidores terão o mesmo tratamento, independentemente de cada situação particular (terem adquirido o carro na marca, estar na garantia, etc.).

Num encontro com jornalistas em novembro, o secretário de Estado do Ambiente considerou que os efeitos da fraude da Volkswagen são menores em Portugal do que noutros países europeus porque os 125.491 veículos afetados representam 4,8% do total de ligeiros a diesel e 2,8% da frota nacional.

Segundo o relatório preliminar que foi apresentado também pela secretária de Estado da Economia, Vera Rodrigues, existem em Portugal 102.140 veículos afetados das marcas Volkswagen, Audi e Skoda e mais 23.351 da marca Seat.

No total, são 125.491 os veículos com dispositivos que manipulam os dados relativos à emissão de gases poluentes.

O grupo de trabalho estima, no seu relatório preliminar, que esta situação provoca um agravamento das emissões nacionais de óxidos de azoto de cerca de 1,7%, relativamente a 2013.

O Governo reafirmou, na mesma altura, que acionará todos os meios legais e operacionais para recuperar junto do grupo Volkswagen a receita fiscal que possa estar em falta em resultado da adulteração das emissões poluentes.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.