sicnot

Perfil

Economia

Empresário próximo de Lula preso sob suspeita de ilegalidades no caso Petrobras

O empresário José Carlos Bumlai, amigo do ex-Presidente Lula da Silva, foi preso hoje sob suspeita de cometer ilegalidades em contratos com a Petrobras, durante a 21.ª fase da Operação Lava Jato.

© Sergio Moraes / Reuters

Bumlai é acusado pelo Ministério Público Federal brasileiro de utilizar contratos assinados com a petrolífera brasileira para saldar empréstimos bancários destinados a financiar o Partido dos Trabalhadores (PT), que tem entre os filiados Lula da Silva e a actual Presidente, Dilma Rousseff.

Segundo informações do Ministério Público divulgadas pela imprensa brasileira, empresas do grupo Schahin, o mesmo do banco que realizou o empréstimo a Bumlai, obtiveram o contrato de operação de um navio-sonda da Petrobras sem qualquer concurso.

O principal empréstimo do banco que está a ser investigado foi de 12 milhões de reais (3 milhões de euros) na época, dívida que foi perdoada e escondida com um registo de pagamento falso.

O empresário foi denunciado em depoimentos de outros suspeitos investigados pela Operação Lava Jato, os quais fizeram um acordo com a Justiça para a troca de informações por uma redução na pena, entre eles Salim Schahin, do grupo de mesmo nome.

Outro delator é o lobista Fernando Soares, chamado de "baiano", em cujo depoimento afirmou que Bumlai recebeu 2 milhões de reais (500 mil euros) em suborno para ser intermediário de um contrato com Lula da Silva, a quem chamava de "barba".

De acordo com o Ministério Público e com o juiz responsável pelo caso, Sérgio Moro, não há comprovação sobre a participação do ex-Presidente no caso.

A Polícia Federal brasileira solicitou hoje ao Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES) do país os contratos de empréstimo para Bumlai, para investigá-los.

Bumlai, citado pela Folha de São Paulo, nega ter usado contratos da Petrobras para pagar o empréstimo e afirma tê-lo feito com embriões de gado.

O Partido dos Trabalhadores, citado pelo portal de notícias G1, não vai comentar esta detenção. O portal informou ainda ter entrado em contacto com o Banco Schahin, e não ter obtido resposta.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.