sicnot

Perfil

Economia

PCP e BE querem discutir sobretaxa na especialidade

O PCP pretende discutir em sede de especialidade uma "melhor solução" do que a do PS para a eliminação mais rápida de cortes salariais, da Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES) e da sobretaxa em sede de IRS.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

Também o Bloco de Esquerda admite "trabalhar a proposta de redução da sobretaxa" na especialidade.

O plenário debate hoje um conjunto de propostas do PS e da coligação do PSD/CDS-PP de redução da sobretaxa de IRS, da CES e dos cortes salariais na Função Pública para o próximo ano.

Falando no plenário da Assembleia da República, o deputado comunista Paulo Sá afirmou ser "conhecida a posição conjunta" com o PS sobre a extinção da CES e das reduções remuneratórias, onde "se regista uma convergência quanto ao objetivo, mas não se verifica acordo quanto à forma de concretização".

"Existe da nossa parte uma firme disponibilidade para, no decurso do processo legislativo na especialidade, darmos o nosso empenhado contributo para encontrar uma melhor solução que respeite a proposta que consideramos fundamental de eliminação dos cortes de salários e pensões", afirmou Paulo Sá.

Também sobre a extinção da sobretaxa em sede de Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares (IRS), disse o deputado, "já se tinha verificado a fixação conjunta com o PS do objetivo da eliminação da sobretaxa, apesar de não haver alternativa à proposta agora apresentada que responda melhor ao objetivo da eliminação da sobretaxa".

Para o PCP, esta alternativa à proposta do PS requer "uma análise mais detalhada no processo legislativo da especialidade", com base de natureza fiscal relativo ao universo de contribuintes aos quais se aplica a sobretaxa, "que o anterior Governo sempre sonegou".

"Manifestamos desde já a nossa empenhada disponibilidade para, na especialidade, contribuir para a construção dessa alternativa" concluiu Paulo Sá.

Depois da intervenção do deputado comunista, também a deputada bloquista Mariana Mortágua disse que o Bloco de Esquerda está disponível para "trabalhar na especialidade" a proposta de redução da sobretaxa, "com o mesmo espírito positivo".

Por sua vez, o deputado socialista João Galamba, dirigindo-se às bancadas do PSD e do CDS-PP, admitiu que podem existir "diferenças" entre PS, PCP, BE e PEV.

"Mas todos concordamos que a recuperação de rendimentos é necessária para a recuperação da economia. Já vocês defendem que a recuperação de rendimentos só acontecerá se a economia permitir".

Anteriormente, a deputada do CDS-PP Cecília Meireles tinha afirmado que os diferentes partidos querem debater hoje a recuperação de rendimentos, mas que a diferença é entre a "prudência" e a "rapidez".

"Os que querem como nós uma recuperação gradual e progressiva, prudente, para ser uma recuperação para sempre", ou seja, PSD e CDS-PP, e "os que querem fazer tudo mais rápido, não garantem que daqui a uns anos ou meses volte tudo atrás e que não garantem um défice abaixo dos 3%", ou seja, PS, apoiado pelos partidos de esquerda, disse Cecília Meireles.

Pelas 16:00, cerca de uma hora depois do início do plenário desta tarde, o secretário-geral do PS, António Costa, tomou posse como primeiro-ministro de um governo minoritário, mas que conta com o apoio no parlamento do PCP, Bloco de Esquerda e do partido ecologista 'Os Verdes' (PEV).

Lusa

  • Não haverá devolução da sobretaxa do IRS

    Economia

    Os contribuintes receberiam zero de devolução da sobretaxa de IRS se o ano acabasse agora. É o que resulta da execução orçamental até ao fim de outubro. A receita de IRS caiu mais de 1% e a subida do IVA não chegou para compensar.

  • Governo nega promessa da devolução da sobretaxa mas admite confusão
    0:42

    Economia

    O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais admite que a comunicação do Governo quanto à devolução da sobretaxa de IRS confundiu as pessoas e que pode ter sido encarada como uma promessa. Ainda assim, Paulo Núncio, em explicações aos deputados no Parlamento, lembra que sempre afirmou que só no final do ano é que se poderia apurar quanto dinheiro podia ser devolvido.

  • Teresa Caeiro critica programa do Governo socialista
    1:14

    Novo Governo

    Teresa Caeiro criticou o programa do Governo socialista. Para a deputada do CDS-PP, a esquerda dá como certas medidas de alívio da austeridade que dependem de cenários incertos. Foi no Frente-a-Frente da SIC Notícias, em resposta a Mariana Mortágua, que disse que o que aconteceu com a promessa da devolução da sobretaxa foi um abuso dos dados económicos por parte do governo.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.