sicnot

Perfil

Economia

Economistas esperam crescimento do PIB abaixo da meta do anterior governo para 2015

A economia portuguesa deverá crescer abaixo da meta inscrita no orçamento para este ano, prevendo a maioria dos economistas contactados pela agência Lusa um crescimento de 1,5% em 2015, inferior aos 1,6% estimados pelo executivo de Passos Coelho.

O anterior governo PSD/CDS-PP esperava que a economia portuguesa crescesse 1,6% este ano, uma projeção que foi incluída no Orçamento do Estado para 2015, de outubro de 2014, e que foi reiterada no Programa de Estabilidade, conhecido em abril passado.

A economista do BPI Paula Carvalho considera que "matematicamente ainda é possível" que o Produto Interno Bruto (PIB) aumente 1,6% no conjunto de 2015 face ao ano anterior, mas admite que agora "a probabilidade é menor".

"A atividade teria de crescer à volta dos 0,8% em cadeia" para que a meta de crescimento do governo fosse cumprida, segundo a analista, que considera que esta é uma previsão "pouco plausível".

Alertando que "o próprio valor do terceiro trimestre pode ser revisto em ligeira alta", Paula Carvalho afirma que, "com os dados conhecidos atualmente, a probabilidade de [o crescimento económico] ser de 1,5% é maior".

Já António Ascensão Costa, professor do Grupo de Análise Económica do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), afirma que a meta da coligação é "muito pouco provável" e que, depois da estagnação económica no terceiro trimestre, "é mais provável que o crescimento económico em 2015 fique nos 1,5%".

O professor universitário afirmou que, para que a economia crescesse ao ritmo estimado pelo anterior governo no conjunto do ano, teria de existir um crescimento em cadeia de 0,5% e 0,6%.

Também o presidente da Informação de Mercados Financeiros (IMF), Filipe Garcia, e o banco BBVA esperam que a economia cresça abaixo dos 1,6% previstos pelo anterior executivo, aumentando 1,5% este ano.

Por sua vez, o departamento de Estudos do Montepio continua a admitir um crescimento económico de 1,6% para a totalidade de 2015, explicando que será necessário uma melhoria entre 0,5% e 0,6% no quarto trimestre face ao terceiro.

O economista-chefe do Montepio considera que um valor em cadeia de 0,5% é "perfeitamente possível", admitindo, no entanto, que o "principal risco descendente se prende com a indefinição política".

Por sua vez, o professor Jorge Borges de Assunção, do Núcleo de Estudos de Conjuntura Económica Portuguesa (NECEP), da Universidade Católica, disse à Lusa que "será necessário que o crescimento no último trimestre seja na ordem dos 1,8% (embora 1,6% possa chegar) e de 0,8% em cadeia (embora 0,6% possa chegar)" para que seja alcançada a meta definida pelo governo de Pedro Passos Coelho.

Quanto às implicações de uma menor taxa de crescimento económico no cumprimento da meta do défice orçamental, que o anterior governo assumiu que seria de 2,7% este ano, persistem também desafios.

O BPI ainda não tem uma projeção para o défice orçamental de 2015, mas a economista Paula Carvalho entende que um crescimento mais fraco "tem sempre implicações [na evolução do défice] sobretudo se se confirmar que a atividade económica desacelerou no último semestre".

O cenário do Montepio é que "o défice seja superior a 2,7%, mas inferior a 3% (o limite do Pacto de Estabilidade e Crescimento), apontando-se para 2,9%" e o NECEP afirma que "um défice abaixo dos 3% é viável embora não seja o cenário".

A 13 de novembro, o Instituto Nacional de Estatística (INE) indicou, na sua estimativa rápida, que a economia portuguesa apresentou uma variação nula no terceiro trimestre de 2015 face ao trimestre anterior e que cresceu 1,4% em relação ao mesmo trimestre de 2014.

Na segunda-feira, o INE vai publicar o segundo destaque das Contas Nacionais Trimestrais relativas ao terceiro trimestre, altura em que confirma ou revê os dados anteriores.

Lusa

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    Economia

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Benfica persegue oitavos da Liga dos Campeões

    Desporto

    O Benfica tenta hoje a qualificar-se para os oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, procurando uma vitória na receção ao Nápoles que lhe permita vencer o Grupo H e manter-se a salvo do perseguidor Besiktas.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.