sicnot

Perfil

Economia

Economistas esperam crescimento do PIB abaixo da meta do anterior governo para 2015

A economia portuguesa deverá crescer abaixo da meta inscrita no orçamento para este ano, prevendo a maioria dos economistas contactados pela agência Lusa um crescimento de 1,5% em 2015, inferior aos 1,6% estimados pelo executivo de Passos Coelho.

O anterior governo PSD/CDS-PP esperava que a economia portuguesa crescesse 1,6% este ano, uma projeção que foi incluída no Orçamento do Estado para 2015, de outubro de 2014, e que foi reiterada no Programa de Estabilidade, conhecido em abril passado.

A economista do BPI Paula Carvalho considera que "matematicamente ainda é possível" que o Produto Interno Bruto (PIB) aumente 1,6% no conjunto de 2015 face ao ano anterior, mas admite que agora "a probabilidade é menor".

"A atividade teria de crescer à volta dos 0,8% em cadeia" para que a meta de crescimento do governo fosse cumprida, segundo a analista, que considera que esta é uma previsão "pouco plausível".

Alertando que "o próprio valor do terceiro trimestre pode ser revisto em ligeira alta", Paula Carvalho afirma que, "com os dados conhecidos atualmente, a probabilidade de [o crescimento económico] ser de 1,5% é maior".

Já António Ascensão Costa, professor do Grupo de Análise Económica do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), afirma que a meta da coligação é "muito pouco provável" e que, depois da estagnação económica no terceiro trimestre, "é mais provável que o crescimento económico em 2015 fique nos 1,5%".

O professor universitário afirmou que, para que a economia crescesse ao ritmo estimado pelo anterior governo no conjunto do ano, teria de existir um crescimento em cadeia de 0,5% e 0,6%.

Também o presidente da Informação de Mercados Financeiros (IMF), Filipe Garcia, e o banco BBVA esperam que a economia cresça abaixo dos 1,6% previstos pelo anterior executivo, aumentando 1,5% este ano.

Por sua vez, o departamento de Estudos do Montepio continua a admitir um crescimento económico de 1,6% para a totalidade de 2015, explicando que será necessário uma melhoria entre 0,5% e 0,6% no quarto trimestre face ao terceiro.

O economista-chefe do Montepio considera que um valor em cadeia de 0,5% é "perfeitamente possível", admitindo, no entanto, que o "principal risco descendente se prende com a indefinição política".

Por sua vez, o professor Jorge Borges de Assunção, do Núcleo de Estudos de Conjuntura Económica Portuguesa (NECEP), da Universidade Católica, disse à Lusa que "será necessário que o crescimento no último trimestre seja na ordem dos 1,8% (embora 1,6% possa chegar) e de 0,8% em cadeia (embora 0,6% possa chegar)" para que seja alcançada a meta definida pelo governo de Pedro Passos Coelho.

Quanto às implicações de uma menor taxa de crescimento económico no cumprimento da meta do défice orçamental, que o anterior governo assumiu que seria de 2,7% este ano, persistem também desafios.

O BPI ainda não tem uma projeção para o défice orçamental de 2015, mas a economista Paula Carvalho entende que um crescimento mais fraco "tem sempre implicações [na evolução do défice] sobretudo se se confirmar que a atividade económica desacelerou no último semestre".

O cenário do Montepio é que "o défice seja superior a 2,7%, mas inferior a 3% (o limite do Pacto de Estabilidade e Crescimento), apontando-se para 2,9%" e o NECEP afirma que "um défice abaixo dos 3% é viável embora não seja o cenário".

A 13 de novembro, o Instituto Nacional de Estatística (INE) indicou, na sua estimativa rápida, que a economia portuguesa apresentou uma variação nula no terceiro trimestre de 2015 face ao trimestre anterior e que cresceu 1,4% em relação ao mesmo trimestre de 2014.

Na segunda-feira, o INE vai publicar o segundo destaque das Contas Nacionais Trimestrais relativas ao terceiro trimestre, altura em que confirma ou revê os dados anteriores.

Lusa

  • Presidente do Tondela diz que clube foi humilhado
    1:26

    Desporto

    O presidente do Tondela participou esta segunda-feira na conferência de imprensa após o jogo da 23.ª jornada da I Liga com o Sporting. Gilberto Coimbra criticou o árbitro do encontro João Capela, e diz que o tempo de compensação dado a mais foi por uma falta que não foi assinalada sobre um jogador do Tondela, Bruno Monteiro.

  • Último golo do Sporting ao Tondela "é legal e limpinho" 
    0:41

    Desporto

    Jorge Jesus entende que a vitória desta segunda-feira do Sporting frente ao Tondela não merece contestação e destaca o facto de o árbitro ter avisado os jogadores que iria prolongar o tempo extra. Para o treinador dos leões, o golo no minuto 99' é legal. 

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC