sicnot

Perfil

Economia

BlackBerry adia por um mês decisão de sair do Paquistão

A fabricante de telemóveis BlackBerry adiou hoje o fecho das suas operações no Paquistão depois de o Governo paquistanês ter concedido um prolongamento de um mês, horas após a empresa canadiana ter anunciado o cancelamento dos seus serviços no país.

Reuters

Reuters

© Dado Ruvic / Reuters

Em causa está a exigência do Governo paquistanês em aceder aos dados privados dos clientes da BlackBerry.

"O Governo do Paquistão notificou a BlackBerry, que adiou a ordem de encerramento dos seus serviços de 30 de novembro para 30 de dezembro. A BlackBerry adiará a sua saída do mercado paquistanês até então", informou o chefe de operações da fabricante de telemóveis, Marty Beard, no blogue empresarial da tecnológica.

A Autoridade das Telecomunicações do Paquistão (ATP) advertiu em julho a fabricante de 'smartphones' (telemóveis inteligentes) de que não poderia operar no país com o seu BlackBerry Enterprise Service (BES), dirigido a empresas e com elevado nível de encriptação, "por motivos de segurança", e concedeu um prazo até hoje para que encerrasse este serviço.

A empresa do Canadá, que poderia continuar o seu serviço de Internet de consumo, apesar de encerrar o empresarial, respondeu que o fim das suas operações seria total em solo paquistanês.

"A verdade é que o Governo paquistanês queria monitorizar todo o tráfego da BlackBerry Enterprise Service, incluindo o correio BES e as mensagens BES BBM [serviço de troca de mensagens na plataforma da BlackBerry]. Mas a BlackBerry não irá cumprir este tipo de diretiva. Não apoiamos as portas traseiras que dão acesso à informação dos nossos clientes", explicou Beard em comunicado.

"A exigência do Paquistão em monitorizar as comunicações dos nossos clientes não nos deixa outra opção que não seja sair do país completamente", acrescentou.

Horas depois da publicação desta mensagem, a ATP concedeu mais um mês à BlackBerry para operar no país e, segundo a comunicação social local, as negociações entre o Estado paquistanês e a BlackBerry continuam.

A fabricante, que já chegou a liderar o segmento de telemóveis inteligentes e era a marca preferida das empresas de todo o mundo, perdeu nos últimos anos grande parte da sua quota de mercado a favor do iPhone da Apple e dos móveis com sistema operativo Android da Google.

Lusa

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.