sicnot

Perfil

Economia

BlackBerry adia por um mês decisão de sair do Paquistão

A fabricante de telemóveis BlackBerry adiou hoje o fecho das suas operações no Paquistão depois de o Governo paquistanês ter concedido um prolongamento de um mês, horas após a empresa canadiana ter anunciado o cancelamento dos seus serviços no país.

Reuters

Reuters

© Dado Ruvic / Reuters

Em causa está a exigência do Governo paquistanês em aceder aos dados privados dos clientes da BlackBerry.

"O Governo do Paquistão notificou a BlackBerry, que adiou a ordem de encerramento dos seus serviços de 30 de novembro para 30 de dezembro. A BlackBerry adiará a sua saída do mercado paquistanês até então", informou o chefe de operações da fabricante de telemóveis, Marty Beard, no blogue empresarial da tecnológica.

A Autoridade das Telecomunicações do Paquistão (ATP) advertiu em julho a fabricante de 'smartphones' (telemóveis inteligentes) de que não poderia operar no país com o seu BlackBerry Enterprise Service (BES), dirigido a empresas e com elevado nível de encriptação, "por motivos de segurança", e concedeu um prazo até hoje para que encerrasse este serviço.

A empresa do Canadá, que poderia continuar o seu serviço de Internet de consumo, apesar de encerrar o empresarial, respondeu que o fim das suas operações seria total em solo paquistanês.

"A verdade é que o Governo paquistanês queria monitorizar todo o tráfego da BlackBerry Enterprise Service, incluindo o correio BES e as mensagens BES BBM [serviço de troca de mensagens na plataforma da BlackBerry]. Mas a BlackBerry não irá cumprir este tipo de diretiva. Não apoiamos as portas traseiras que dão acesso à informação dos nossos clientes", explicou Beard em comunicado.

"A exigência do Paquistão em monitorizar as comunicações dos nossos clientes não nos deixa outra opção que não seja sair do país completamente", acrescentou.

Horas depois da publicação desta mensagem, a ATP concedeu mais um mês à BlackBerry para operar no país e, segundo a comunicação social local, as negociações entre o Estado paquistanês e a BlackBerry continuam.

A fabricante, que já chegou a liderar o segmento de telemóveis inteligentes e era a marca preferida das empresas de todo o mundo, perdeu nos últimos anos grande parte da sua quota de mercado a favor do iPhone da Apple e dos móveis com sistema operativo Android da Google.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.