sicnot

Perfil

Economia

Cerca de 80 mil portugueses a trabalhar na construção em Angola com salários em atraso

Há cerca de 80 mil portugueses a trabalhar no setor da construção civil em Angola com salários em atraso. Cerca de 40% dos 200 mil trabalhadores têm entre 2 a 6 meses de ordenado por receber.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Mike Hutchings / Reuters

A denúncia é do presidente do Sindicato da Construção Civil. Albano Ribeiro diz ao Jornal de Notícias que há situações ainda piores do que Angola, como o caso do Gana e do Senegal.

Nestes dois países há cerca de mil trabalhadores portugueses, muitos deles foram completamente abandonados pelas empresas que os recrutaram.

O Sindicato da Construção Civil já pediu uma audiência ao novo secretário de Estado das Comunidades.

  • Descida do preço do petróleo traduz-se em alimentos mais caros em Angola

    Economia

    A descida dos preços do petróleo desde meados do ano passado fez com que Angola passasse a receber menos receitas, a maioria em dólares, o que originou um desequilíbrio financeiro com ramificações na economia real. As receitas do petróleo, em 2013, quando o petróleo ainda estava em alta, valeram mais de dois terços das receitas totais dos cofres angolanos, pelo que a ligação do dólar à economia do segundo maior produtor de petróleo africano é profunda, a que acresce o facto de a maioria dos bens e serviços consumidos no país ser importado, e pago maioritariamente na moeda norte-americana.

  • Angola assinala os 40 anos de independência
    2:52

    Mundo

    Angola assinala hoje os 40 anos de independência. Apesar de ser um país rico em recursos, graças aos diamantes e ao petróleo, é tem também o mais alto índice de mortalidade infantil, em todo o Mundo. Por estes dias o regime de Eduardo dos Santos enfrenta críticas ferozes da comunidade internacional, sobre a falta de liberdade de expressão.

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.