sicnot

Perfil

Economia

INE confirma estagnação do PIB no 3º trimestre

O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou hoje uma taxa de variação nula do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre face ao trimestre anterior e um aumento de 1,4% em termos homólogos.

© Hugo Correia / Reuters

O INE divulgou hoje a segunda estimativa das Contas Nacionais referentes ao terceiro trimestre, confirmando os números que tinha avançado na estimativa rápida conhecida a 13 de novembro.

Assim, a economia abrandou no terceiro trimestre face ao segundo, quer em termos homólogos, uma vez que o PIB tinha aumentado 1,6% no segundo trimestre face ao mesmo período de 2014, quer em cadeia, já que a economia tinha aumentado 0,5% no segundo trimestre face ao trimestre anterior.

Em termos homólogos, o INE explica que "o contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB diminuiu no terceiro trimestre (passando de 3,5 pontos percentuais no segundo trimestre para 1,9 pontos percentuais), refletindo a desaceleração do investimento e, em menor grau, das despesas de consumo final".

Ora, a taxa de variação homóloga do investimento caiu de 8,5% no segundo trimestre para 1,7% no terceiro, enquanto a taxa de variação homóloga do consumo privado diminuiu de 3,2% para 2,3% e a do consumo público de 0,6% para 0,4%.

Já a procura externa líquida registou um contributo negativo (-0,5 pontos percentuais), "embora de magnitude inferior ao observado no segundo trimestre (-2,0 pontos percentuais)", ainda que se tenham verificado "um ganho de termos de troca superior ao do trimestre anterior, com o deflator das importações a registar uma redução significativa, sobretudo em resultado da diminuição dos preços dos bens energéticos".

Comparativamente com o segundo trimestre, a estagnação do PIB deveu-se sobretudo ao contributo negativo da procura interna, devido principalmente à redução do investimento, enquanto a procura externa líquida contribuiu positivamente, tendo as importações de bens e serviços diminuído de forma mais intensa que as exportações de bens e serviços.

As exportações de bens e serviços desaceleraram no terceiro trimestre, tendo aumentado 3,9% em volume, depois de terem crescido 7,3% no trimestre anterior.

O INE explica este abrandamento com a desaceleração de ambas as componentes: "As exportações de bens aumentaram 5,2% (8,2% no trimestre anterior) e as exportações de serviços apresentaram uma variação homóloga de 0,2% (5% no segundo trimestre)", lê-se no destaque hoje publicado.

Também as importações de bens e serviços desaceleraram no terceiro trimestre deste ano, "aumentando 4,9% em termos homólogos, após um crescimento de 12% no trimestre anterior", um comportamento que se deveu à "acentuada desaceleração da componente de bens, que registou uma variação homóloga de 5,7% (13,4% no segundo trimestre)".

As importações de serviços registaram também uma redução, passando de uma variação homóloga de 3,9% no segundo trimestre para -0,1% no terceiro trimestre.

O INE destaca ainda que o emprego para o conjunto dos ramos de atividade da economia aumentou 0,3% no terceiro trimestre, corrigido de sazonalidade, após o aumento de 1,9% no trimestre anterior. Já o emprego remunerado (igualmente corrigido de sazonalidade) apresentou uma variação homóloga de 1,3% no terceiro trimestre (2,2% no segundo).

Lusa

  • ANACOM apresenta recomendações para melhorar redes de telecomunicações
    1:17

    País

    A ANACOM entregou um conjunto de recomendações ao Governo, Parlamento, municípios e operadores de telecomunicações. A autoridade reguladora em Portugal das comunicações eletrónicas propõe que os cabos aéreos de telecomunicações sejam substituídos por cabos subterrâneos, entre outras coisas. O objetivo é impedir que as redes fiquem em baixo perante incêndios ou outras catástrofes.

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC