sicnot

Perfil

Economia

Taxa de desemprego manteve-se em 12,4% em outubro

A taxa de desemprego manteve-se em 12,4% em outubro, o mesmo valor registado em setembro, segundo a estimativa provisória divulgada hoje pelo Instituto Nacional de Estatística.

A estimativa provisória da população desempregada para outubro de 2015, por sua vez, é de 632,7 mil pessoas, o que representa um decréscimo de 0,3% face ao valor definitivo obtido para setembro de 2015 (menos 1,7 mil pessoas).

De acordo com o INE, a taxa de desemprego das mulheres (de 12,7%) excedeu a dos homens (12%) em 0,7 pontos percentuais, com a primeira a aumentar 0,1 pontos percentuais e a segunda a diminuir 0,2 pontos percentuais.

A taxa de desemprego dos jovens, por sua vez, situou-se em 31,8%, tendo diminuído 0,1 pontos percentuais em relação ao mês anterior, enquanto a taxa dos adultos situou-se em 10,9%, tendo-se mantido inalterada em relação ao mês anterior.

Para esta variação mensal contribuiu o acréscimo da população desempregada (de 2,4% para 14,7 mil pessoas) e o decréscimo da população empregada (de 0,4% para 18,1 mil).

Em setembro de 2015, a estimativa definitiva da taxa de desemprego foi de 12,4%, o que representa um aumento de 0,1 pontos percentuais face ao mês anterior.

"Este comportamento ocorre após dois meses de estabilidade (julho e agosto de 2015), que interromperam a série de decréscimos consecutivos observados desde fevereiro de 2015", sinaliza o instituto.

Segundo o INE, a estimativa provisória da população empregada em outubro é de 4,47 milhões de pessoas, menos 1,9 mil do que no mês anterior, o que corresponde uma variação relativa quase nula.

Nestas estimativas foi considerada a população dos 15 aos 74 anos e os valores foram previamente ajustados de sazonalidade.

Com Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14