sicnot

Perfil

Economia

Estrutura sindical da TAP pede reunião urgente ao Governo

A estrutura sindical da TAP vai pedir uma reunião com caráter de urgência aos ministros do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, e da Economia, Manuel Caldeira Cabral, sobre o processo de privatização da companhia aérea.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Paulo Whitaker / Reuters

A decisão de pedir o encontro foi hoje tomada pela estrutura sindical da TAP, constituída pelos sindicatos SITAVA (trabalhadores da aviação e aeroportos), SINTAC (trabalhadores da aviação civil) e SNPVAC (do pessoal de voo), sendo que ainda serão pedidos também encontros a "todos os partidos com assento parlamentar".

De acordo com o comunicado da estrutura sindical da TAP, a reunião servirá para discutir o processo de reprivatização da companhia aérea, mas também para "pedir a intervenção do Governo e da Assembleia da República" num processo que consideram que "levanta muitas dúvidas legais e que coloca em risco o futuro da empresa".

No documento referem ainda que o processo poderá afetar várias outras empresas, pondo em causa muitos postos de trabalho indiretos "prejudicando em larga medida a economia portuguesa e aumentando o risco de agravamento de uma já debilitada segurança social".

Para as estruturas sindicais, as medidas que o novo dono da TAP pretende executar "servem, única e exclusivamente, os diferentes interesses das várias empresas com ligações conhecidas a todo este processo".

A 12 de novembro, o Governo ainda liderado por Passos Coelho assinou o contrato de venda de 61% do grupo TAP ao consórcio Gateway, de Humberto Pedrosa e de David Neeleman.

Quanto às medidas que consideram nocivas para a companhia aérea, a estrutura sindical refere a venda de "terrenos e edifícios da TAP junto do aeroporto, para garantir os 150 milhões de euros da prometida capitalização, criando assim as condições para a deslocalização da manutenção para a M&E Brasil ou o abandono total da SPDH/Groundforce, e de outras empresas associadas do grupo TAP".

Apontam ainda que a "venda ou cedência da posição dos A350, [...], irá servir para a Azul -- Linhas Aéreas Brasileiras, entrar no mercado asiático, após a compra de 23,7% da companhia aérea brasileira por 420 milhões de euros, pelo grupo chinês HNA, negócio apenas possível após a conclusão da compra de 61% da TAP SGPS, pela parte de David Neeleman".

A estrutura sindical da TAP considera que é "cada vez mais claro que o anterior Governo não protegeu os interesses do país e muito menos garantiu o futuro da TAP Portugal e dos seus trabalhadores", pelo que defendem que sejam tomadas medidas para evitar o cenário que antecipam de "esvaziamento do atual hub nacional para o Brasil, a externalização da atividade de manutenção da TAP SA, uma brutal redução da atividade do Grupo TAP com a venda e/ou desmantelamento de diversas empresas associadas".

A estrutura sindical da TAP, constituída pelo SITAVA, SINTAC e SNPVAC, não concorda com a privatização da transportadora nacional e já tinha dito que, assim que o novo Governo tomasse posse, ia cobrar as promessas eleitorais.

Durante a campanha, o agora primeiro-ministro, António Costa, disse que um governo socialista não ia permitir que a TAP tivesse mais de 51% de capital privatizado.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28