sicnot

Perfil

Economia

Nobel da Economia defende aumento de impostos para empresas

O Nobel da Economia Joseph Stiglitz defendeu esta terça-feira o aumento de impostos de forma progressiva e para as empresas portuguesas que não investem no país e considerou que há uma "esperança considerável" no novo Governo.

Joseph Stiglitz, que venceu o Nobel da Economia em 2001, já tinha sugerido que os impostos sobre as empresas podem ser reduzidos para empresas que investissem no país e aumentados para empresas que não o fizessem. (Arquivo)

Joseph Stiglitz, que venceu o Nobel da Economia em 2001, já tinha sugerido que os impostos sobre as empresas podem ser reduzidos para empresas que investissem no país e aumentados para empresas que não o fizessem. (Arquivo)

© Victor Ruiz Garcia / Reuters

"Acho que há uma esperança considerável no novo Governo. Acredito que o novo Governo está a tentar descobrir como promover o crescimento económico com os constrangimentos da zona euro", disse Joseph Stiglitz aos jornalistas após a conferência 'Desigualdade num Mundo Globalizado', que decorreu ao final da tarde na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

O economista norte-americano considerou que Portugal deve "focar-se na estratégia de crescimento económico", defendendo que deve ser baseada, em parte, "num aumento de impostos que não magoe a economia".

"Acho que há margem para aumentar impostos de uma forma progressiva. Ou seja, sem magoar os mais pobres, que foi o que aconteceu no passado", considerou o professor universitário.

Joseph Stiglitz, que venceu o Nobel da Economia em 2001, já tinha sugerido, durante a conferência, que os impostos sobre as empresas podem ser reduzidos para empresas que investissem no país e aumentados para empresas que não o fizessem.

Lembrando que alguns países avançaram com a redução dos impostos sobre as empresas durante o período de austeridade, como Portugal, o professor universitário disse que "não há provas de que leve a mais investimento".

Admitindo que "ninguém gosta de impostos", o Nobel da Economia disse que eles são importantes para "investir em pessoas, infraestruturas e tecnologias, o que cria oportunidades para um crescimento económico de longo prazo".

O anterior Governo PSD/CDS-PP aprovou uma reforma do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC) que reduziu a taxa nominal deste imposto para 21% este ano e pretendia reduzi-la para 17% até 2019.

Lusa

  • Marco Silva vai treinar o Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva assinou contrato com o Watford, da Liga Inglesa. O emblema que terminou a última Premier League na 17ª posição, a última antes dos lugares de descida, ganhou assim a corrida ao Crystal Palace e ao FC Porto, que também tentaram contratar o técnico.

  • "A maior conquista foi construir estabilidade"
    2:14

    Economia

    António Costa voltou esta sexta-feira a garantir que a partir de junho nenhum subsídio de desemprego será inferior a 421 euros por mês. O primeiro-ministro falava nas jornadas parlamentares do PS, onde afirmou que a estabilidade é a maior conquista deste Governo.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11
  • Uma foto para a história

    Mundo

    As mulheres dos líderes mundiais que se reúnem nas cimeiras da NATO posam para a fotografia oficial das primeiras-damas. A deste ano é histórica. Pela primeira vez, há um marido de um primeiro-ministro entre as nove mulheres. Trata-se de Gauthier Destenay, casado com o líder do Luxemburgo.