sicnot

Perfil

Economia

EUA negam que Turquia compre petróleo ao Daesh

O Departamento de Estados dos Estados Unidos negou esta quarta-feira que a Turquia esteja a comprar petróleo ao grupo extremista Estado Islâmico, como afirma a Rússia, acusou Moscovo de estar a apoiar o regime sírio de Bashar al-Assad.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Tom Mihalek / Reuters

Em conferência de imprensa, o porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner, reagia ao gráficos e imagens de satélite difundidas pelo Ministério da Defesa russo e supostamente documentam o trânsito de camiões carregados com petróleo pela fronteira sírio-turca.

"Não estou a dizer que o tráfico de petróleo do Estado Islâmico seja um problema. O que estou a dizer é que não há cumplicidade do Governo da Turquia para comprar petróleo ao grupo extremista Estado Islâmico", disse.

Mark Toner disse que a fronteira sírio-turca "é difícil", há contrabando de petróleo há décadas e, agora, o grupo Estado Islâmico está a utilizá-lo para o vender a camionistas e traficantes que se encarregam de o distribuir na região.

"Não é o grupo extremista Estado Islâmico 'per si' que está a passar o petróleo pela fronteira", defendeu Toner, que assegurou que a qualidade do crude é "pobre" e pouco "atrativa" para os turcos.

O porta-voz do Departamento de Estado reiterou que a Turquia é um "importante aliado" dos Estados Unidos.

A Turquia participa na coligação internacional, liderada pelos Estados Unidos, contra o grupo extremista Estado Islâmico.

Lusa

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.