sicnot

Perfil

Economia

Governo quer beneficiar trabalhadores que descontem mais anos

O governo quer premiar os trabalhadores com mais de 40 anos de descontos e que continuem no ativo depois dos 66 anos. A intenção consta do programa do Governo que é hoje debatido no Parlamento.

(Arquivo Reuters)

(Arquivo Reuters)

REUTERS

O Diário de Notícias diz que a medida faz parte de um conjunto de reformas para reforçar a sustentabilidade da Segurança Social e prolongar a vida ativa, mas ainda não se sabe ao certo que benefícios estão previstos para estes casos.

Esta possibilidade de dar um bónus a quem desconte mais de 40 anos surge numa altura em que a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) vem dizer que os países devem limitar as saídas antecipadas para a reforma.

Entre as medidas chave introduzidas para melhorar as contas dos sistemas de pensões, a OCDE destaca o aumento da idade da reforma assim como as limitações às reformas antecipadas, mas refere também que os desafios financeiros dos sistemas de pensões são apenas "uma parte da equação".

"A outra parte deve preocupar-se em garantir se no futuro os sistemas nos diferentes estados-membros serão suficientes para dar qualidade de vida adequada à população com mais de 65 anos", indica a OCDE.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão