sicnot

Perfil

Economia

Eurogrupo ouve Centeno 2ª feira e aguarda "curioso" pelo plano orçamental

O fórum de ministros das Finanças da zona euro vai ouvir o novo ministro das Finanças, Mário Centeno, na reunião da próxima segunda-feira, enquanto aguarda "curioso" pelo plano orçamental português para 2016, indicou hoje um alto responsável do Eurogrupo.

LUSA

Entre os pontos da agenda da última reunião do ano do Eurogrupo, que se realizará a 07 de dezembro em Bruxelas, está a apresentação dos planos e prioridades do novo executivo português, que hoje mesmo conclui, em Lisboa, a apresentação do Programa de Governo na Assembleia da República.

O responsável do Eurogrupo lembrou que Mário Centeno "já esteve na cidade" de Bruxelas, esta semana, "para uma primeira série de discussões com a Comissão" Europeia, devendo na próxima segunda-feira, "como é habitual para um novo ministro de um novo governo, apresentar os planos políticos e prioridades do recém-empossado Governo".

Questionado sobre se há preocupação no seio do Eurogrupo com os planos do novo Governo socialista, o alto responsável do fórum de ministros das Finanças da zona euro admitiu que o Eurogrupo está "curioso" relativamente ao plano orçamental que Lisboa deve apresentar a Bruxelas em janeiro, designadamente de que modo o novo executivo liderado por António Costa conta manter o país "no caminho da consolidação orçamental e das reformas estruturais", que visam resolver os grandes problemas de competitividade do país.

Por fim, o mesmo responsável apontou que, apesar de Portugal já não estar sob programa de assistência financeira, "há muitos instrumentos" através dos quais as políticas económicas do país são monitorizadas - de uma forma mais constante do que países que não tenham tido assistência externa, apontou -, entre os quais a vigilância pós-programa e a vigilância por desequilíbrios macroeconómicos.

Mário Centeno fará na próxima segunda-feira a sua estreia em reuniões do Eurogrupo, depois de, na terça-feira, já se ter deslocado à sede da Comissão Europeia, para reuniões nas quais o executivo comunitário lhe comunicou que está disposto a esperar "até final do ano/início de janeiro", pelo esboço do plano de Orçamento do Estado para 2016, que Portugal deveria ter apresentado até 15 de outubro passado.

Fonte comunitária disse à agência Lusa que o presidente da Comissão Europeia, Jean Claude-Juncker, deixou claro que Bruxelas "não quer um plano de orçamento com base num cenário de políticas inalteradas", mas que até "ao final do ano/início de janeiro deverá ser entregue um verdadeiro plano de Orçamento do Estado".

O ministro das Finanças do Governo PS, Mário Centeno, fez uma "visita de cortesia ao vice-presidente da Comissão Europeia (responsável pelo Euro), Valdis Dombrovskis, ao comissário (dos Assuntos Económicos) Pierre Moscovici e à comissária (da Concorrência) Vestager", acrescentou, por seu lado, uma porta-voz da Comissão Europeia.

A porta-voz referiu que estes encontros decorreram "numa atmosfera amigável e construtiva".

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.