sicnot

Perfil

Economia

Santos Silva diz que a antiga maioria já falhou a meta do défice em 2015

O ministro dos Negócios Estrangeiros defendeu esta quinta-feira que o anterior Executivo PSD/CDS-PP já falhou a sua meta de défice para este ano, num discurso em que advertiu que o tempo não está para radicalizações mas para compromissos.

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

MIGUEL A. LOPES / Lusa

Esta posição foi transmitida pelo "número dois" da hierarquia do novo executivo minoritário socialista, Augusto Santos Silva, no encerramento do debate do programa do XXI Governo Constitucional e pouco antes de a esquerda parlamentar ter chumbado a moção de rejeição apresentada pelo PSD e CDS-PP.

Augusto Santos Silva frisou que o atual Governo tudo fará para que Portugal feche este ano com um défice abaixo dos três por cento, libertando o país do procedimento por défice excessivo da União Europeia, mas deixou um aviso: "Uma coisa é certa. A antiga maioria PSD/CDS, que falhou o seu próprio objetivo orçamental em 2011, em 2012, em 2013 e em 2014 também falhou a meta de 2,7 por cento que fixou em 2015", disse.

Lusa

  • Costa diz que PS não quer abrir trincheira de confronto
    3:29

    País

    António Costa diz que o novo Governo derrubou "um velho muro de 40 anos", mas garante que não quer abrir trincheiras de confronto. O primeiro dia de debate do programa de Governo ficou, no entanto, marcado pelo clima de tensão entre as bancadas do Executivo e da oposição. O primeiro-ministro rejeitou o desafio do PSD de apresentar uma moção de confiança e comprometeu-se a fazer tudo o que for possível para cumprir o défice deste ano.

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.