sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas não tenciona intervir na gestão dos stocks de sardinha

A Comissão Europeia não tenciona introduzir quotas nem qualquer outro sistema de controlo dos 'stocks' de sardinha, desde que Portugal e Espanha continuem empenhados "numa gestão responsável" das unidades populacionais, disse fonte comunitária à Lusa.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

"Desde que os dois Estados-membros [Portugal e Espanha] continuem a mostrar no futuro um forte compromisso na gestão de modo responsável e prudente deste 'stock', tal como o fizeram nos últimos anos, a Comissão não prevê introduzir quotas ou outra medida de gestão ao nível da União Europeia", disse a mesma fonte.

Bruxelas salienta que "para ajudar a recuperação da sardinha ibérica, Portugal e Espanha concordaram na aplicação de um plano conjunto de gestão, baseado nos pareceres científicos do Conselho Internacional para a Exploração dos Mares" (ICES, na sigla inglesa).

A Comissão Europeia adverte que irá "acompanhar muito de perto as medidas adotadas pelos dois Estados-membros, incluindo o uso combinado da quota em 2015".

Bruxelas salientou ainda à Lusa estar "ciente da importância socioeconómica e até cultural das sardinhas, em Portugal".

Em julho, o ICES recomendou que a captura de sardinha em águas ibéricas, devido ao mau estado das unidades populacionais, não ultrapasse, em 2016, as 1.587 toneladas, um décimo do permitido este ano e que já tinha sido considerado insuficiente pelos pescadores.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15