sicnot

Perfil

Economia

Greve na CP não deverá causar perturbações na circulação de comboios

A greve na CP - Comboios de Portugal, convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF) para hoje, 8 de dezembro, feriado em que se comemora o dia da Imaculada Conceição, não deverá causar perturbações na circulação.

(Arquivo Lusa)

(Arquivo Lusa)

MARIO CRUZ

Contactado pela Lusa, José Manuel Oliveira, coordenador do SNTSF, disse que o impacto deverá ser semelhante às greves em dia feriado, que são objeto de pré-avisos de greve desde 2013, para contestar a redução ao pagamento ao trabalho extraordinário, em dia de descanso semanal e em dia feriado.

Nos últimos feriados, de 15 de agosto e 10 de junho, a greve quase não se fez sentir nas estações da CP, com um número reduzido de comboios suspensos.

O pré-aviso de greve ao trabalho extraordinário, em dia de descanso semanal e em dia feriado, de 1 de dezembro a 2 de janeiro, abrange três feriados, tendo sido fixados serviços mínimos para 25 de dezembro e 1 de janeiro por serem considerados "dias de confraternização familiar (...) que dão origem a particulares carências de transporte".

Em compensação, o Tribunal Arbitral, nomeado pelo Conselho Económico e Social (CES), decidiu não fixar serviços mínimos para a paralisação do dia 8 de dezembro, nem para o dia anterior nem para o seguinte, períodos em que se podem ainda sentir os reflexos da greve.

Fonte oficial da CP admitiu à Lusa que "possam surgir algumas perturbações na circulação", garantindo estar preparada para "prestar o melhor serviço possível aos clientes".

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.