sicnot

Perfil

Economia

Greve na CP não deverá causar perturbações na circulação de comboios

A greve na CP - Comboios de Portugal, convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF) para hoje, 8 de dezembro, feriado em que se comemora o dia da Imaculada Conceição, não deverá causar perturbações na circulação.

(Arquivo Lusa)

(Arquivo Lusa)

MARIO CRUZ

Contactado pela Lusa, José Manuel Oliveira, coordenador do SNTSF, disse que o impacto deverá ser semelhante às greves em dia feriado, que são objeto de pré-avisos de greve desde 2013, para contestar a redução ao pagamento ao trabalho extraordinário, em dia de descanso semanal e em dia feriado.

Nos últimos feriados, de 15 de agosto e 10 de junho, a greve quase não se fez sentir nas estações da CP, com um número reduzido de comboios suspensos.

O pré-aviso de greve ao trabalho extraordinário, em dia de descanso semanal e em dia feriado, de 1 de dezembro a 2 de janeiro, abrange três feriados, tendo sido fixados serviços mínimos para 25 de dezembro e 1 de janeiro por serem considerados "dias de confraternização familiar (...) que dão origem a particulares carências de transporte".

Em compensação, o Tribunal Arbitral, nomeado pelo Conselho Económico e Social (CES), decidiu não fixar serviços mínimos para a paralisação do dia 8 de dezembro, nem para o dia anterior nem para o seguinte, períodos em que se podem ainda sentir os reflexos da greve.

Fonte oficial da CP admitiu à Lusa que "possam surgir algumas perturbações na circulação", garantindo estar preparada para "prestar o melhor serviço possível aos clientes".

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15