sicnot

Perfil

Economia

Vieira da Silva lembra que Governo tem última palavra sobre salário mínimo

O ministro do Trabalho disse hoje, em Bruxelas, que o Governo fará "todos os esforços" em busca de um compromisso com os parceiros sociais sobre o aumento do salário mínimo, mas lembrou que a última palavra cabe ao Executivo.

(Arquivo)

(Arquivo)

José Vieira da Silva, que falava à saída de uma reunião dos ministros do Emprego e Assuntos Sociais da UE, ao ser questionado sobre a reunião da concertação social agendada para quinta-feira para discutir o aumento progressivo do salário mínimo nacional até atingir 600 euros, e a já anunciada discordância da CGTP, comentou que esta é uma questão sobre a qual dificilmente há consenso.

"Desde que existe salário mínimo em Portugal existem posições distintas dos vários parceiros. Até já tivemos parceiros que achavam que não devia haver salário mínimo, não há muitos anos", começou por observar.

Apontando que, "duramente muitos anos, o salário mínimo foi fixado como a lei prevê, pelo Governo, ouvindo os parceiros sociais" e "há uns anos, pela primeira vez foi possível assinar um acordo de longo prazo ou de médio prazo de fixação de uma trajetória de crescimento do salário mínimo", o ministro garantiu que "o Governo não deixará de explorar todas as hipóteses para que o seu objetivo e o seu compromisso com os portugueses e as portuguesas de recuperar uma trajetória de crescimento do salário possa também ser suportado com um acordo de concertação social".

"Faremos todos os esforços para que isso aconteça, mas obviamente que a última palavra, como sempre aconteceu ao longo da história do nosso salário mínimo, depende sempre do Governo. Eu creio que há espaço de manobra para discutir. Nunca é um valor ou uma trajetória que seja integralmente aquela que cada parceiro considera mais adequada, mas o diálogo é isso, a busca de um compromisso, e eu estou convicto de que tudo faremos para que esse compromisso no curto prazo, ou no curto e médio prazo, ou no médio prazo possa ser atingido", afirmou.

Neste seu regresso a Conselhos ministeriais da União Europeia em Bruxelas, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, questionado sobre se sentiu "confiança" por parte dos parceiros europeus no novo Governo do PS apoiado pela esquerda, comentou que "os parceiros europeus estão mais tranquilos" do que aquilo que se possa pensar em Portugal.

"Confiança? Não senti nenhuma desconfiança, pelo contrário. Tive oportunidade de ter reuniões bilaterais com a próxima presidência (holandesa) e outros Estados-membros, e foi possível desenhar desde já algumas áreas de cooperação. Os meus colegas do Conselho receberam-me com toda a naturalidade (...). Eu julgo que os parceiros europeus estão mais tranquilos do que nós possamos pensar. Às vezes é mais na nossa casa que nós nos pomos a imaginar os problemas que outros sentem, mas não; foi um contacto muito natural", afirmou.

Lusa

  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Cada vez mais pessoas viajam no Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • As crianças que estão a morrer à fome em África

    Mundo

    A UNICEF alertou esta terça-feira que a má nutrição aguda que afeta a Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iémen coloca este ano em "iminente" risco de morte 1,4 milhões de crianças devido à fome que existe naqueles países. São milhares de casos de um incessante desespero numa luta diária pela sobrevivência.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus pais e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Carro "desgovernado" entra em loja e atropela cliente

    Mundo

    O cliente de um mini-mercado no condado de Bronx, em Nova Iorque, sobreviveu de forma incrível ao impacto de um automóvel que entrou loja adentro. Apesar da violência das imagens, o homem sobreviveu e conseguiu mesmo sair da loja pelo próprio pé até ser transportado para o hospital.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.

  • Pulseira deixa sentir os movimentos do bebé ainda na barriga da mãe

    Mundo

    A pulseira Fibo permite que os futuros pais (ou mães) consigam sentir os seus filhos a dar pontapés ainda na barriga da mãe. Desenvolvida por um designer de joias da Dinamarca, a pulseira vai transmitir os movimentos do bebé no útero, de modo a que os pais possam partilhar essa experiência da gravidez.