sicnot

Perfil

Economia

Crédito malparado das empresas e famílias volta a subir ligeiramente em outubro

O crédito malparado das famílias e das empresas subiu para 18.974 milhões de euros em outubro, depois de ter diminuído em setembro, representando quase 9,3% do total dos empréstimos concedidos, segundo divulgou hoje o Banco de Portugal (BdP).

(Reuters/ Arquivo)

De acordo com números divulgados hoje pelo banco central, no final de outubro o total de empréstimos concedidos pela banca às famílias e às empresas ascendia a 204.171 milhões de euros, dos quais 18.974 milhões de euros são considerados crédito de cobrança duvidosa, o equivalente a 9,29% do total dos empréstimos.

Isto significa que o crédito malparado das famílias e das empresas voltou a subir, depois de em setembro ter apresentado uma ligeira descida face à tendência que se verificava desde o início deste ano.

Em setembro, o crédito de cobrança duvidosa das famílias e das empresas desceu para 18.969 milhões de euros, representando 9,25% dos 205.425 milhões concedidos.

O aumento ligeiro deveu-se sobretudo à subida do crédito malparado nas empresas, que subiu de 13.611 milhões de euros em setembro para 13.635 milhões em outubro.

Em outubro, o crédito de cobrança duvidosa nas empresas passou a representar 16,36% do total de 83.314 milhões de euros em empréstimos concedidos, quando no mês anterior significava 16,25% dos 83.720 milhões de euros emprestados pela banca.

Considerando apenas os créditos atribuídos às famílias, dos 120.857 milhões de euros concedidos pela banca em outubro, 5.339 milhões de euros (4,41%) correspondem a crédito malparado.

Face ao mês anterior, o BdP registou em outubro uma ligeira diminuição do crédito de cobrança duvidosa nas famílias, uma vez que o montante total em setembro totalizava 5.358 milhões de euros, o que representava 4,42% do total concedido.

Dos empréstimos a particulares, 99.340 milhões de euros correspondiam a créditos à habitação, dos quais 2,58%, ou seja, 2.569 milhões eram de cobrança duvidosa, representando um aumento face a setembro. Nesse mês, os créditos malparados à habitação totalizavam 2.557 milhões de euros e 2,56% do total concedido pela banca a particulares.

O montante emprestado pela banca para consumo das famílias atingiu 11.929 milhões de euros no final de outubro, dos quais 10,57%, ou seja, 1.261 milhões de euros correspondiam a crédito malparado, o que revela uma ligeira diminuição face ao mês anterior. Em setembro, o malparado no crédito ao consumo representava 10,56% do total concedido, ou seja, 1.262 milhões de euros.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.