sicnot

Perfil

Economia

Meta do défice para 2015 não foi cumprida e são precisas medidas adicionais

O Conselho de Ministros decidiu que são precisas medidas adicionais para o cumprimento da meta abaixo dos 3% e para que o país possa sair do procedimento por défices excessivos instaurado pela União Europeia. A meta de 2,7% não foi cumprida, disse o ministro das Finanças.

MIGUEL A. LOPES/ LUSA ( ARQUIVO)

No final da reunião do Conselho de Ministros, Mário Centeno reafirmou a vontade do Governo de conseguir que o défice de 2015 fique abaixo dos 3%.

Os ministérios estão impedidos de gastar o dinheiro que ainda resta e as administrações públicas vão contar com menos 46 milhões de euros.

Governo mantém défice de 2,8% para 2016

Quanto ao próximo ano, o ministro das Finanças adianta que mantém o objetivo de 2,8%, sem que sejam necessárias outras medidas.

"A forma como elaborámos o exercício orçamental que sustenta o Programa de Governo partia de uma estimativa para o défice em 2015 próxima do objetivo que nós neste momento queremos alcançar, que são os 3%, e com isso a saída do Procedimento de Défices Excessivos", afirmou Mário Centeno. "Esta meta que agora nos propomos [3%] não tem, não traz nenhuma perturbação às medidas a incluir no Orçamento de 2016", acrescentou.

As Grandes Opções do Plano serão entregues até à 1ª quinzena de janeiro.

EM ATUALIZAÇÃO/Com Lusa

  • Medidas adicionais para manter défice abaixo de 3%
    0:58

    Economia

    O ministro das Finanças acaba de confirmar que não é possível atingir um défice de 2,7% este ano. Mário Centeno diz que vão ser precisas medidas adicionais, com reforço da contenção do lado da despesa, para pelo menos tentar que o buraco das contas fique abaixo dos 3%. O Governo adotará medidas de "congelamento de processos pendentes de descativações e transições de saldo de gerência considerados não urgentes", referiu Mário Centeno.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.