sicnot

Perfil

Economia

Meta do défice para 2015 não foi cumprida e são precisas medidas adicionais

O Conselho de Ministros decidiu que são precisas medidas adicionais para o cumprimento da meta abaixo dos 3% e para que o país possa sair do procedimento por défices excessivos instaurado pela União Europeia. A meta de 2,7% não foi cumprida, disse o ministro das Finanças.

MIGUEL A. LOPES/ LUSA ( ARQUIVO)

No final da reunião do Conselho de Ministros, Mário Centeno reafirmou a vontade do Governo de conseguir que o défice de 2015 fique abaixo dos 3%.

Os ministérios estão impedidos de gastar o dinheiro que ainda resta e as administrações públicas vão contar com menos 46 milhões de euros.

Governo mantém défice de 2,8% para 2016

Quanto ao próximo ano, o ministro das Finanças adianta que mantém o objetivo de 2,8%, sem que sejam necessárias outras medidas.

"A forma como elaborámos o exercício orçamental que sustenta o Programa de Governo partia de uma estimativa para o défice em 2015 próxima do objetivo que nós neste momento queremos alcançar, que são os 3%, e com isso a saída do Procedimento de Défices Excessivos", afirmou Mário Centeno. "Esta meta que agora nos propomos [3%] não tem, não traz nenhuma perturbação às medidas a incluir no Orçamento de 2016", acrescentou.

As Grandes Opções do Plano serão entregues até à 1ª quinzena de janeiro.

EM ATUALIZAÇÃO/Com Lusa

  • Medidas adicionais para manter défice abaixo de 3%
    0:58

    Economia

    O ministro das Finanças acaba de confirmar que não é possível atingir um défice de 2,7% este ano. Mário Centeno diz que vão ser precisas medidas adicionais, com reforço da contenção do lado da despesa, para pelo menos tentar que o buraco das contas fique abaixo dos 3%. O Governo adotará medidas de "congelamento de processos pendentes de descativações e transições de saldo de gerência considerados não urgentes", referiu Mário Centeno.

  • A Verdade sobre a Mentira
    35:13
  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • "A Venezuela sofreu um Madurazo"
    0:32
  • "Leiam os meus lábios. Não!"
    0:12

    Mundo

    Vladimir Putin participou esta quinta-feira numa conferência, no Ártico. Questionado sobre se a Rússia tinha interferido nas últimas eleições dos Estados Unidos da América, o Presidente voltou a negar qualquer interferência, com uma frase que pensava pertencer a Ronald Reagan, mas que na verdade foi proferida por George Bush.

  • A provocação de Juncker a Trump
    0:40

    Mundo

    Jean-Claude Juncker lançou esta quinta-feira uma provocação a Donald Trump. No último dia do congresso do PPE, o presidente da Comissão Europeia disse que, se Trump incentivar outros países a sair da União Europeia, ele próprio vai apoiar a independência do Ohio e do Texas