sicnot

Perfil

Economia

Moody's baixa nota da Petrobras e alerta para perspetiva de maiores cortes

A Moody's baixou, esta quarta-feira, o 'rating' da petrolífera estatal brasileira Petrobras, que passou de Ba2 para Ba3 (ambos considerados especulativos) e alertou para a perspetiva de uma maior revisão em baixa no futuro.

Reuters

Reuters

REUTERS

"Estas ações de qualificação refletem os altos riscos de refinanciamento da Petrobras numa altura de deterioração das condições da indústria que fazem com que seja mais difícil alcançar liquidez mediante a venda de ativos", indicou a agência de notação financeira norte-americana em comunicado.

Além disso, a Moody's apontou que na revisão em baixa da nota também influiu o anúncio, esta quarta-feira, pela propria agência de que pode vir a cortar mais a qualificação de crédito do Brasil, como consequência da abertura do processo de destituição contra a Presidente brasileira, Dilma Rousseff.

"O início do processo de destituição contra a Presidente no início de dezembro causa mais dúvidas na perspetiva de cooperação entre o Congresso e a presidência para a aprovação de importantes medidas de consolidação fiscal para 2016", assinala a agência.

A Moody's foi a primeira das três grandes agências de qualificação de risco a colocar a Petrobras no nível conhecido como "lixo", o que pode levar muitos fundos de investimento conservadores a desfazerem-se das suas ações na empresa.

A Petrobras, a maior empresa do Brasil e responsavel por cerca de 12% do Produto Interno Bruto (PIB), figura no centro de uma investigação sobre uma rede de corrupção que, segundo as suspeitas, opera desde a década de 1990 e desviou uma soma, ainda não especificada, mas estimada em milhares de milhões de dólares.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.