sicnot

Perfil

Economia

Poder de compra em Portugal sobe para 78,1% da média europeia

O poder de compra dos portugueses aumentou 0,8 pontos percentuais entre 2013 e 2014, para 78,1% da média da União Europeia (UE), mas Portugal mantém a posição relativa face aos restantes países da UE, divulgou hoje o INE.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), entre os 19 Estados-membros que integram a zona euro, Portugal ocupava, em 2014, a 14ª posição à frente da Eslováquia, Estónia, Lituânia, Grécia e da Letónia.

O Produto Interno Bruto (PIB) 'per capita' (PIBpc) expresso em Paridades de Poder em Portugal passou de 77,3% da média da União Europeia em 2013 para 78,1% em 2014, "refletindo uma redução do nível relativo de preços e o aumento do PIB 'per capita' em preços correntes (2,4%)".

Segundo o instituto, este aumento do PIB 'per capita' em 2014 deveu-se ao crescimento nominal do PIB (1,9%) e à diminuição da população (0,5%).

O INE destaca ainda o aumento do PIB 'per capita' na Lituânia em 5,3% em 2014, passando a ocupar uma posição relativa acima da Grécia (72,6%).

De acordo com o INE -- que se baseou em informação do Eurostat sobre preços de um cabaz comum de bens e serviços de 37 países europeus -- verifica-se que a dispersão do indicador de volume do PIBpc medido em Paridade do Poder de Compra nos 28 Estados-membros (EM) da UE "é muito significativa".

Assim, o Luxemburgo apresenta o maior índice de volume, sendo este mais de duas vezes e meia acima da média da UE28 e cerca de seis vezes maior do que o da Bulgária, que é o país da UE com o menor nível de riqueza 'per capita'.

No que respeita à despesa de consumo individual 'per capita' (DCIpc), considerado "um indicador mais apropriado para refletir o bem-estar das famílias", o INE diz existirem também "diferenças substanciais" entre os Estados-membros da UE, sendo aqui o posicionamento relativo de Portugal "um pouco melhor que o indicado pelo PIBpc".

"Entre 2013 e 2014, a evolução da DCIpc foi marginalmente superior à do PIBpc, tendo passado de 82% da média da UE para 82,9%", diz o INE.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.