sicnot

Perfil

Economia

Presidente do grupo Fosun controla mais de 10 mil milhões de euros em ações

O presidente do grupo chinês Fosun, detentor de várias empresas em Portugal e que foi hoje dado como incontactável na China, controla indiretamente mais de 10 mil milhões de euros nas praças financeiras chinesas, segundo a imprensa local.

© Bobby Yip / Reuters

De acordo com os media chineses, Guo Guangchang controla indiretamente 77 mil milhões de yuan em ações na China.

Proprietário de 58% dos títulos da Fosun International, um dos maiores grupos privados da China, com interesses nos setores turismo, saúde, farmácia, imobiliário e aço, Guo controla seis empresas na China e é acionista em outras 12.

Segundo a revista norte-americana Forbes, é o 11.º homem mais rico da China.

Em Portugal, o grupo detém a seguradora Fidelidade e a Espírito Santo Saúde, reconvertida em Luz Saúde, e uma participação de 5,3% na REN. Foi ainda um dos candidatos à compra do Novo Banco, até as negociações terem sido suspensas pelo Banco de Portugal.

A imprensa chinesa avançou que o multimilionário foi detido pelas autoridades e que se desconhece se está a ser investigado ou a prestar assistência numa investigação.

Guo foi, alegadamente, detido à chegada a Xangai num voo proveniente de Hong Kong, escreve a agência oficial chinesa Xinhua.

Contactada hoje pela agência Lusa, fonte da empresa limitou-se a responder que o grupo vai manter informados os meios de comunicação social à medida que houver novidades.

Num comunicado publicado no 'site' oficial do Fosun e assinado pelo vice-presidente Liang Xinjun, a empresa informa que suspendeu temporariamente as negociações nas bolsas de Xangai, Hong Kong e Shenzhen, devido a "informações suscetíveis de influenciar o mercado".

Fosun, em chinês diz-se Fu Xing, evocando o local onde os quatro fundadores do grupo se formaram, no final da década de 1980 (a Universidade Fudan, em Xangai). O segundo caráter ("Xing") significa estrela.

No último ano, segundo os dados compilados pela agência Bloomberg até julho, o gigante empresarial, dono do Club Mediterranee, anunciou 10 aquisições num total de 6,4 mil milhões de dólares (5,6 mil milhões de euros).

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.