sicnot

Perfil

Economia

Paul Krugman defende que zona euro precisa de "verdadeira união bancária"

O economista Paul Krugman afirmou hoje em Lisboa que a zona euro precisa de "uma verdadeira união bancária" europeia, considerando que pensar que "a responsabilidade de apoiar os bancos em tempos difíceis é nacional é basicamente uma ideia maluca".

MIGUEL A. LOPES

"Em primeiro lugar, uma coisa que é absolutamente óbvia que tem de ser feita - e era insano não o fazer - é uma verdadeira união bancária", afirmou Krugman, que está em Lisboa para participar numa conferência de homenagem a José Silva Lopes, promovida pelo Banco de Portugal.

Para o Nobel da Economia de 2008, "a ideia de que a responsabilidade de apoiar os bancos em tempos difíceis deve ser [uma responsabilidade] de nível nacional é basicamente maluca e é impor um risco constante".

O economista entende que "é errado pensar nestas crises bancárias puramente como responsabilidade dos países onde elas ocorrem" e deu o exemplo da crise de 2008 nos Estados Unidos da América.

"Foi muito regional, não foi um problema nacional: 80% das perdas foram num só Estado, no Estado do Texas. Mas o Texas não teve de pagar por isso, o orçamento nacional é que pagou", recordou Krugman.

O professor da Universidade de Princeton deu um exemplo de como funcionaria uma "verdadeira união bancária" na zona euro: "Imaginem Portugal a enfrentar a 'troika' e a pedir 25% do PIB [Produto Interno Bruto] como presente. É isso que deve acontecer se tiverem uma verdadeira união bancária".

Krugman considera que isto "tem de acontecer" mas admite que "vai levar alguns anos e [que] não vai ser retrospetivo", sublinhando que a Europa tem de ter em mente que "da próxima vez podem ser os países do Norte" a precisar de ajuda europeia.

O segundo aspeto que Paul Krugman referiu foi a necessidade de haver "uma verdadeira união orçamental" na zona euro, considerando que "este é um sonho distante, mas [que] talvez seja possível convencer as pessoas de que nunca se sabe quem é que vai estar em perigo" a seguir.

O académico referiu-se à economia alemã em 1999, que "era muito deprimida" e que "conseguiu tornar-se próspera, criando grandes excedentes comerciais, em contrapartida de grandes défices comerciais na Europa do Sul".

Krugman referiu que o contrário não se verificou agora e destacou que os países do sul enfrentaram "uma austeridade severa", mas que "não houve uma aceleração da inflação na Alemanha".

O economista reconheceu que "tudo isto é muito difícil de ver, não tecnicamente, porque as ferramentas estão lá", mas essencialmente pela "vontade política" que seria necessária a nível europeu.

Ainda assim, Krugman considera que, numa perspetiva retrospetiva, pode dizer-se que "a Europa ainda é uma incrível história de sucesso" e que "a capacidade de Portugal de se tornar parte desta história é também uma história incrível de sucesso".

"Lembro-me como era: isto não era um sítio onde as pessoas tinham a certeza de que faziam parte [da Europa], era um sítio onde as pessoas não tinham a certeza que era democrático. Acabou por ser e isso é maravilhoso e houve progresso económico", recordou.

No entanto, Krugman sublinhou que os problemas da economia portuguesa não estão todos resolvidos: "Agora [Portugal] está numa situação muito difícil, o desemprego é muito elevado e seria ainda mais elevado se as pessoas não estivessem a sair, ainda é uma economia fraca".

Lusa

  • Habitantes de Almeida barricaram-se durante seis horas em agência da CGD
    2:31

    País

    Perto de 100 pessoas estiveram esta quarta-feira barricadas na agência da Caixa Geral de Depósitos em Almeida, distrito da Guarda. O protesto contra o encerramento da agência só terminou quase seis horas depois, com a garantia que os autarcas serão recebidos na próxima terça-feira pela Administração do banco público. 

  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.

  • Trump volta a apelar ao fim do programa nuclear de Pyongyang
    1:43

    Mundo

    Donald Trump voltou a apelar à Coreia do Norte para que abandone o programa nuclear e opte pela via do diálogo. O Presidente dos Estados Unidos chamou à Casa Branca, para uma reunião extraordinária, todos os senadores norte-americanos para serem informados sobre a atual crise com a Coreia do Norte.

  • Ivanka Trump vaiada por defender o pai durante debate sobre igualdade de género
    1:51

    Mundo

    Com o propósito de criar pontes com Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel convidou a filha mais velha do Presidente norte-americano para participar numa cimeira. No entanto as coisas não correram muito bem e Ivanka Trump foi vaiada pela audiência por ter defendido o pai quando o assunto era a igualdade de género. 

  • Papa apelou à revolução da ternura
    0:52
  • Irmã da mulher mais pesada do mundo acusa hospital de mentir

    Mundo

    A irmã da mulher egípcia que se acreditava ser a mais pesada do mundo acusou os médicos de mentirem acerca da sua perda de peso. No entanto, o hospital que realizou a cirurgia bariátrica já respondeu às acusações, defendendo que a mulher pesa agora 172 quilos.

  • Diário de John F. Kennedy vendido por 660 mil euros

    Mundo

    Um diário escrito por John F. Kennedy quando jovem, durante uma curta passagem pelo jornalismo, depois da II Guerra Mundial, foi vendido por mais de 700 mil dólares (642 mil euros), informou esta quarta-feira uma casa de leilões.