sicnot

Perfil

Economia

Câmara de Lisboa adia início da cobrança da taxa turística sobre chegadas

A Câmara de Lisboa decidiu adiar a aplicação da taxa turística nas chegadas à capital por ainda não saber como vai cobrá-la no aeroporto, disse hoje à Lusa o vereador das Finanças, estimando que a medida arranque em abril.

© Hugo Correia / Reuters

"Sobre a taxa turística de chegadas, que estava prevista entrar em funcionamento no dia 01 de janeiro, por questões operacionais não vai ser possível iniciar a sua execução nesse dia. Estamos ainda em negociações com a ANA [Aeroportos de Portugal] e a iniciar conversações com o Governo sobre esta matéria", afirmou João Paulo Saraiva.

De acordo com o autarca, há "uma questão essencialmente operacional" que tem de ser analisada no caso das chegadas ao aeroporto e que não se coloca no porto de Lisboa, onde é "mais fácil" começar a cobrar a taxa.

Nas chegadas por via marítima, já se pensa em aplicá-la "diretamente aos operadores dos cruzeiros", que, por sua vez, a farão refletir "nos preços e na faturação aos seus clientes", referiu João Paulo Saraiva.

Contudo, a Câmara não quer começar a aplicar uma sem a outra, segundo o autarca: "Só lá para fevereiro ou março é que teremos uma solução e que falaremos novamente sobre o assunto. Até lá, vamos estar a discutir como operacionalizá-la e a perceber essa forma de operacionalizar".

Já a taxa turística sobre as dormidas na cidade entra em vigor no início de janeiro.

Lusa

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.