sicnot

Perfil

Economia

Câmara de Lisboa adia início da cobrança da taxa turística sobre chegadas

A Câmara de Lisboa decidiu adiar a aplicação da taxa turística nas chegadas à capital por ainda não saber como vai cobrá-la no aeroporto, disse hoje à Lusa o vereador das Finanças, estimando que a medida arranque em abril.

© Hugo Correia / Reuters

"Sobre a taxa turística de chegadas, que estava prevista entrar em funcionamento no dia 01 de janeiro, por questões operacionais não vai ser possível iniciar a sua execução nesse dia. Estamos ainda em negociações com a ANA [Aeroportos de Portugal] e a iniciar conversações com o Governo sobre esta matéria", afirmou João Paulo Saraiva.

De acordo com o autarca, há "uma questão essencialmente operacional" que tem de ser analisada no caso das chegadas ao aeroporto e que não se coloca no porto de Lisboa, onde é "mais fácil" começar a cobrar a taxa.

Nas chegadas por via marítima, já se pensa em aplicá-la "diretamente aos operadores dos cruzeiros", que, por sua vez, a farão refletir "nos preços e na faturação aos seus clientes", referiu João Paulo Saraiva.

Contudo, a Câmara não quer começar a aplicar uma sem a outra, segundo o autarca: "Só lá para fevereiro ou março é que teremos uma solução e que falaremos novamente sobre o assunto. Até lá, vamos estar a discutir como operacionalizá-la e a perceber essa forma de operacionalizar".

Já a taxa turística sobre as dormidas na cidade entra em vigor no início de janeiro.

Lusa

  • Escritor e filólogo Frederico Lourenço distinguido com o Prémio Pessoa 2016

    Cultura

    O escritor, tradutor, professor universitário Frederico Lourenço foi distinguido com o Prémio Pessoa 2016. O anúncio foi feito hoje pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão, no Palácio de Seteais, em Sintra, sublinhando que a atividade de Frederico Lourenço tem como "traço singular" ter oferecido "à língua portuguesa as grandes obras de literatura clássica".

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Explosão no Cairo faz seis mortos

    Mundo

    Seis pessoas morreram hoje numa explosão junto a um posto de controlo da polícia no Cairo, indicaram os meios de comunicação social e responsáveis egípcios.