sicnot

Perfil

Economia

Câmara de Lisboa adia início da cobrança da taxa turística sobre chegadas

A Câmara de Lisboa decidiu adiar a aplicação da taxa turística nas chegadas à capital por ainda não saber como vai cobrá-la no aeroporto, disse hoje à Lusa o vereador das Finanças, estimando que a medida arranque em abril.

© Hugo Correia / Reuters

"Sobre a taxa turística de chegadas, que estava prevista entrar em funcionamento no dia 01 de janeiro, por questões operacionais não vai ser possível iniciar a sua execução nesse dia. Estamos ainda em negociações com a ANA [Aeroportos de Portugal] e a iniciar conversações com o Governo sobre esta matéria", afirmou João Paulo Saraiva.

De acordo com o autarca, há "uma questão essencialmente operacional" que tem de ser analisada no caso das chegadas ao aeroporto e que não se coloca no porto de Lisboa, onde é "mais fácil" começar a cobrar a taxa.

Nas chegadas por via marítima, já se pensa em aplicá-la "diretamente aos operadores dos cruzeiros", que, por sua vez, a farão refletir "nos preços e na faturação aos seus clientes", referiu João Paulo Saraiva.

Contudo, a Câmara não quer começar a aplicar uma sem a outra, segundo o autarca: "Só lá para fevereiro ou março é que teremos uma solução e que falaremos novamente sobre o assunto. Até lá, vamos estar a discutir como operacionalizá-la e a perceber essa forma de operacionalizar".

Já a taxa turística sobre as dormidas na cidade entra em vigor no início de janeiro.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.