sicnot

Perfil

Economia

Deco aconselha clientes da Netviagens a acionarem Fundo de Garantia de Viagens

A Deco aconselhou hoje os consumidores que compraram viagens à Netviagens, entretanto declarada insolvente, a acionarem o Fundo de Garantia de Viagens e Turismo (FGVT) para que possam ser reembolsados.

(SIC/ Arquivo)

(SIC/ Arquivo)

Os consumidores que tenham comprado uma viagem à Netviagens -- Agência de Viagens e Turismo, e a mesma não se tenha realizado ou não tenha sido cumprido o acordado, podem acionar o FGVT, através de requerimento dirigido ao Provedor do Cliente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) ou ao Turismo de Portugal, solicitando a intervenção da Comissão de Arbitral.

A Deco - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor informa que é necessário apresentar todos os documentos comprovativos "dos factos alegados", nomeadamente o comprovativo de pagamento.

O requerimento deve ser apresentado, caso não tenha sido acordado outro prazo superior, 30 dias após o termo da viagem, nos seguintes casos: cancelamento da viagem imputável à agência, data do conhecimento da impossibilidade da sua realização por facto imputável à agência e o encerramento do estabelecimento.

Uma vez ultrapassado o prazo para recorrer ao Provedor do Cliente da APAVT ou à Comissão Arbitral para acionar o FGVT, a única possibilidade de ser reembolsado dos montantes que lhe são devidos será reclamar o respetivo crédito no respetivo processo de insolvência da empresa, indica a Deco.

O prazo para reclamar o crédito no processo de insolvência termina a 27 de dezembro, 30 dias depois de ter sido publicada a sentença que declarou a insolvência da Netviagens.

Após o encerramento do prazo para a reclamação de créditos, as listas de créditos serão publicadas no portal Citius, do Ministério da Justiça.

O Tribunal da Comarca de Lisboa decretou a 25 de novembro a insolvência da primeira agência de viagens 'online' portuguesa, a Netviagens, que foi requerida pelo fornecedor Soliférias e publicada no portal judicial Citius.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.