sicnot

Perfil

Economia

Deco aconselha clientes da Netviagens a acionarem Fundo de Garantia de Viagens

A Deco aconselhou hoje os consumidores que compraram viagens à Netviagens, entretanto declarada insolvente, a acionarem o Fundo de Garantia de Viagens e Turismo (FGVT) para que possam ser reembolsados.

(SIC/ Arquivo)

(SIC/ Arquivo)

Os consumidores que tenham comprado uma viagem à Netviagens -- Agência de Viagens e Turismo, e a mesma não se tenha realizado ou não tenha sido cumprido o acordado, podem acionar o FGVT, através de requerimento dirigido ao Provedor do Cliente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) ou ao Turismo de Portugal, solicitando a intervenção da Comissão de Arbitral.

A Deco - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor informa que é necessário apresentar todos os documentos comprovativos "dos factos alegados", nomeadamente o comprovativo de pagamento.

O requerimento deve ser apresentado, caso não tenha sido acordado outro prazo superior, 30 dias após o termo da viagem, nos seguintes casos: cancelamento da viagem imputável à agência, data do conhecimento da impossibilidade da sua realização por facto imputável à agência e o encerramento do estabelecimento.

Uma vez ultrapassado o prazo para recorrer ao Provedor do Cliente da APAVT ou à Comissão Arbitral para acionar o FGVT, a única possibilidade de ser reembolsado dos montantes que lhe são devidos será reclamar o respetivo crédito no respetivo processo de insolvência da empresa, indica a Deco.

O prazo para reclamar o crédito no processo de insolvência termina a 27 de dezembro, 30 dias depois de ter sido publicada a sentença que declarou a insolvência da Netviagens.

Após o encerramento do prazo para a reclamação de créditos, as listas de créditos serão publicadas no portal Citius, do Ministério da Justiça.

O Tribunal da Comarca de Lisboa decretou a 25 de novembro a insolvência da primeira agência de viagens 'online' portuguesa, a Netviagens, que foi requerida pelo fornecedor Soliférias e publicada no portal judicial Citius.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.