sicnot

Perfil

Economia

Passos questiona Costa sobre saída da Maersk de Portugal

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, questionou hoje o primeiro-ministro, António Costa, sobre a alegada saída da Maersk de Portugal e sobre as metas orçamentais, considerando insuficiente a redução do défice para 2,8% em 2016.

Armando Franca

O facto de ser Pedro Passos Coelho a interpelar António Costa no debate quinzenal de hoje causou alguma surpresa, por contrariar notícias divulgadas na véspera do debate.

Depois de falar das metas do défice, o ex-primeiro-ministro voltou a contestar a estratégia económica do Governo do PS, afirmando: "É muito difícil incutir confiança aos agentes económicos quando os verbos que a maioria que agora apoia o Governo mais gosta de conjuntar são repor, reverter, revogar e eliminar".

"Quando tudo isto acontece, qual é a consequência, senhor primeiro-ministro? É aquela que já é visível. A Maersk, uma das empresas de logística com mais relevância em todo o mundo, já anunciou que vai sair de Portugal e com isso pode, como já foi reconhecido pelo senhor ministro, criar aqui um grave problema para Portugal e para as empresas portuguesas", acrescentou.

Passos referiu, depois, que "duas agências de notação financeira chamaram já a atenção para as consequências do lado da consolidação orçamental e da prossecução das reformas estruturais, para aquilo que são os sinais que o Governo está a dar, dizendo mesmo que poderão cortar o 'rating'".

"Ora, isso é tudo o que nós dispensamos para poder atrair mais investimento", comentou.

Dirigindo-se ao primeiro-ministro, perguntou-lhe: "Como é que compatibiliza os verbos que a maioria que aqui no parlamento apoia o Governo mais gosta de conjugar com aquilo que são os objetivos que os investidores estão à espera de ouvir?".

Na resposta, sem abordar a questão da Maersk, António Costa reafirmou a intenção de aplicar "uma nova política" económica.

"Pois vamos repor rendimentos, pois vamos reverter a asfixia fiscal sobre a classe média, e vamos revogar os cortes na pensões e nos salários dos funcionários públicos, e assim teremos um caminho mais sólido para a economia portuguesa", declarou.

Em relação às metas orçamentais, Passos Coelho cumprimentou o Governo do PS por assumir a redução do défice para menos de 3% este ano através de "medidas que cabem na boa gestão corrente".

Contudo, considerou que a meta de 2,8% fixada para 2016 significa "manter inalterado o resultado do défice" e pode não ser compatível com as regras do Tratado Orçamental e do Semestre Europeu: "Não me parece que essa compatibilidade exista".

António Costa começou por saudar a estreia do presidente do PSD na oposição parlamentar ao seu Governo: "Muito obrigado senhor deputado Pedro Passos Coelho, a quem saúdo cordialmente, e com quem inicio, agora em novas condições, o diálogo".

Em seguida, aproveitou para dizer que a última vez e única que Portugal teve um défice inferior a 3% "foi em 2007" - durante a governação do PS, com José Sócrates como primeiro-ministro.

"Recordo-me bem pelo singelo facto de ter sido o último ano que estive no Governo", referiu António Costa.

O primeiro-ministro frisou o empenho do seu Governo na redução do défice e sustentou que "não há ninguém nesta câmara que defenda o contrário", afirmação que provocou risos na bancada do PSD.

"Esse deve ser um objetivo prosseguido, e desejando que, naturalmente, no processo, infelizmente habitual, de reclassificação de despesas e de receitas, não venha daqui a uns anos este défice a ser revisto, como anos depois foi revisto o défice abaixo dos 3% obtido em 2007", acrescentou.

Quanto ao défice deste ano, o primeiro-ministro apontou o dedo à anterior governação PSD/CDS-PP: "Apesar de o Governo anterior ter falhado a meta orçamental a que se tinha proposto, nós tudo faremos para cumprir a meta orçamental a que nos propusemos".

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.