sicnot

Perfil

Economia

Ucrânia avança com acordo comercial com a UE

O Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, garantiu hoje, em Bruxelas, a entrada em vigor de comércio livre com a União Europeia, a 01 de janeiro, apesar das restrições económicas ditadas por Moscovo.

© Vasily Fedosenko / Reuters

Ao lado do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, Poroshenko informou que o seu país "está pronto a pagar o preço" pela aproximação comercial com o espaço europeu.

"Estamos prontos a pagar o preço pela nossa liberdade e pela nossa escolha europeia", disse em conferência de imprensa.

O Presidente russo, Vladimir Putin, decretou hoje a suspensão do contrato de comércio livre com a Ucrânia, a partir de 01 de janeiro, devido a "circunstâncias que prejudicam os interesses e a segurança económica da Federação da Rússia".

Concretamente, o documento suspende a aplicação à Ucrânia do tratado assinado a 18 de outubro de 2011 e que criava um regime comercial especial entre os membros da Comunidade dos Estados Independentes (ex-URSS exceto países bálticos e Geórgia).

A Rússia tem vindo a repetir que o acordo de comércio livre entre Kiev e Bruxelas, previsto no Acordo de Associação entre a Ucrânia e a UE, pode inundar o seu mercado de produtos europeus se não forem tomadas medidas de proteção comercial.

Moscovo já ameaçou alargar à Ucrânia a 01 de janeiro o embargo aplicado aos países ocidentais que sancionam a Rússia pelo seu envolvimento na crise ucraniana se não chegar a acordo com Bruxelas e Kiev sobre a aplicação do contrato entre eles.

Lusa

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.