sicnot

Perfil

Economia

Haitong Bank faz aumento de capital de 100 milhões de euros

Os acionistas do Haitong Bank (ex-BES Investimento) decidiram em reunião magna avançar com um aumento de capital de 100 milhões de euros, que foi totalmente subscrito pela empresa chinesa que adquiriu o banco de investimento ao Novo Banco.

O reforço de capital do Haitong Bank implica a emissão de 20 milhões de novas ações ordinárias. (Arquivo)

O reforço de capital do Haitong Bank implica a emissão de 20 milhões de novas ações ordinárias. (Arquivo)

© China Stringer Network / Reuters

O reforço de capital do Haitong Bank implica a emissão de 20 milhões de novas ações ordinárias, com o valor nominal de cinco euros cada, elevando o capital social do banco para 426,3 milhões de euros, segundo a informação hoje divulgada através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"Este aumento de capital foi subscrito e realizado na totalidade pela accionista controladora do banco, a Haitong International Holdings Limited, sociedade constituída em Hong Kong, subsidiária da Haitong Securities", lê-se no comunicado.

José Maria Ricciardi é o presidente executivo do Haitong Bank, que foi adquirido por 379 milhões de euros, numa operação concluída em setembro.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.