sicnot

Perfil

Economia

México preocupado com possível reversão de subconcessão do Metro de Lisboa e da Carris

​O embaixador do México em Portugal expressou hoje ao Governo português preocupação com a possível reversão da subconcessão dos transportes públicos de Lisboa, nomeadamente do Metro e Carris, ganha pela mexicana ADO/Avanza.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"O Governo do México, através do seu embaixador em Portugal, expressou a sua preocupação perante a possibilidade de que possam ser anuladas as subconcessões ganhas pela empresa mexicana ADO/Avanza do Metropolitano e da Carris", lê-se num comunicado enviado hoje à agência Lusa pela embaixada do México em Portugal.

Na nota, lembra-se que, para vencer o concurso da subconcessão, a empresa em questão "cumpriu todas as condições estabelecidas e assinou os acordos respetivos".

Nove dias depois de António Costa ter tomado posse como primeiro-ministro, fonte do executivo fez saber que o Governo ia "mandar suspender, com efeitos imediatos, o processo de obtenção de visto prévio" para os contratos de subconcessão dos transportes públicos de Lisboa e Porto pelo Tribunal de Contas, para evitar que entrem em vigor.

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, explicou depois que, tendo o Governo tomado a decisão política de reverter as subconcessões nos transportes, "não deveria ficar à espera que o Tribunal de Contas chumbasse os contratos".

No comunicado hoje enviado à Lusa pela embaixada mexicana, recorda-se que "nos últimos dois anos os governos do México e Portugal deram um impulso inédito aos vínculos entre os dois países", algo que "favoreceu o crescimento dos fluxos comerciais e de inversão nos dois países".

"As autoridades mexicanas acreditam que o interesse comum em manter um ambiente propício ao incremento das relações económicas entre o México e Portugal irá prevalecer nas decisões a ser adotadas em relação a este importante assunto", pode ler-se na nota.

Na terça-feira, a embaixadora do Reino Unido em Lisboa, Kirsty Hayes, também disse estar preocupada com a reversão da subconcessão dos transportes públicos e frisou ter a expectativa de que os compromissos assumidos venham a ser cumpridos.

A empresa britânica National Express detém a espanhola Alsa, que foi a escolhida pelo Governo de Passos Coelho para concessionar a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP).

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.