sicnot

Perfil

Economia

PCP vota a favor da eliminação faseada dos cortes salariais na função pública

O grupo parlamentar do PCP vai votar a favor da devolução faseada dos salários da função pública proposta pelo PS, anunciou a própria bancada comunista, que verá a sua iniciativa sobre a matéria chumbada pela maioria do parlamento.

Arquivo

Arquivo

(Lusa/ Arquivo)

Da fatia de 80 por cento do valor dos cortes salariais ainda a repor aos trabalhadores da administração pública, o PS entende que o ritmo de devolução deverá ser dividido em quatro fases ao longo de 2016, no início de cada trimestre (20%), até à sua extinção em outubro.

A iniciativa socialista já tinha merecido o apoio de BE, PEV e PAN, enquanto PSD e CDS-PP vão votar contra o fim dos cortes de salários na administração pública, a este ritmo.

O diploma do PCP prevê a extinção integral dos cortes salariais assim que o Orçamento do Estado de 2016 (OE) do próximo ano seja publicado em diário da República, ou seja, a sua entrada em vigor. Para o período de transição, entre 01 de janeiro próximo e a entrada em vigor do novo OE, a proposta comunista prevê a manutenção dos cortes.

Já com o novo OE, segundo a proposta do PCP, o Governo ficararia autorizado "no prazo de 30 dias" a aprovar "as condições de pagamento dos retroativos remuneratórios relativos à diferença entre o montante de 2015 e o valor da respetiva remuneração integral".

Lusa

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47