sicnot

Perfil

Economia

PCP vota a favor da eliminação faseada dos cortes salariais na função pública

O grupo parlamentar do PCP vai votar a favor da devolução faseada dos salários da função pública proposta pelo PS, anunciou a própria bancada comunista, que verá a sua iniciativa sobre a matéria chumbada pela maioria do parlamento.

Arquivo

Arquivo

(Lusa/ Arquivo)

Da fatia de 80 por cento do valor dos cortes salariais ainda a repor aos trabalhadores da administração pública, o PS entende que o ritmo de devolução deverá ser dividido em quatro fases ao longo de 2016, no início de cada trimestre (20%), até à sua extinção em outubro.

A iniciativa socialista já tinha merecido o apoio de BE, PEV e PAN, enquanto PSD e CDS-PP vão votar contra o fim dos cortes de salários na administração pública, a este ritmo.

O diploma do PCP prevê a extinção integral dos cortes salariais assim que o Orçamento do Estado de 2016 (OE) do próximo ano seja publicado em diário da República, ou seja, a sua entrada em vigor. Para o período de transição, entre 01 de janeiro próximo e a entrada em vigor do novo OE, a proposta comunista prevê a manutenção dos cortes.

Já com o novo OE, segundo a proposta do PCP, o Governo ficararia autorizado "no prazo de 30 dias" a aprovar "as condições de pagamento dos retroativos remuneratórios relativos à diferença entre o montante de 2015 e o valor da respetiva remuneração integral".

Lusa

  • Uma viagem pela Estrada Nacional 236
    2:52
  • A reconstrução depois da tragédia de Pedrógão
    2:43
  • Marcelo reúne-se na quarta-feira com Putin

    País

    O Presidente da República reúne-se na quarta-feira, em Moscovo, com o líder russo, Vladimir Putin, informou este domingo a Presidência. Marcelo Rebelo de Sousa estará na capital da Federação Russa para assistir ao jogo da seleção portuguesa na fase final do Mundial de Futebol com a equipa de Marrocos

  • Novo busto de Ronaldo foi pedido pelo Museu CR7
    2:07
  • Grécia e Macedónia assinam acordo histórico
    2:02

    Mundo

    A Grécia e a Macedónia assinaram um acordo histórico para mudar o nome da antiga República Jugoslava para República da Macedónia do Norte. Em causa está um problema diplomático entre os dois países que dificultou os planos da Macedónia em aderir à União Europeia e às Nações Unidas.