sicnot

Perfil

Economia

Dívida pública desce para 229,3 mil milhões de setembro para outubro

A dívida pública desceu para 229.269 milhões de euros em outubro, menos 2.683 milhões de euros do que em setembro deste ano, segundo o Banco de Portugal.

© Pichi Chuang / Reuters

Estes valores referem-se à dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, e foram publicados hoje no Boletim Estatístico pelo banco central.

Já a dívida líquida de depósitos da administração central subiu 1.403 milhões de euros entre setembro e outubro para 213.524 milhões de euros.

Comparando com o final de 2014, os dados referentes a outubro demonstram que a dívida pública aumentou cerca de 3.502 milhões de euros e que a dívida pública excluindo os depósitos aumentou quase 5.328 milhões de euros.

No final do ano passado, a dívida pública fixou-se nos 225.767 milhões de euros e a dívida pública líquida de depósitos da administração central nos 208.196 milhões de euros.

A dívida na ótica de Maastricht é utilizada para medir o nível de endividamento das administrações públicas de um país e o conceito está definido num regulamento de 2009 do Conselho Europeu, relativo à aplicação do protocolo sobre o procedimento relativo dos défices excessivos anexo ao Tratado que institui a Comunidade Europeia.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.