sicnot

Perfil

Economia

Ministra reúne-se com operadores e sindicatos para "promover paz social" no Porto de Lisboa

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, afirmou hoje que vai promover reuniões na próxima semana com os operadores e com o Sindicato dos Estivadores, em separado, para tentar "promover a paz social" no Porto de Lisboa.

ANTONIO COTRIM

Em audição na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas sobre a 'fuga' de armadores do Porto de Lisboa, na sequência da suspensão da operação da Maersk, Ana Paula Vitorino considerou que a saída do grupo dinamarquês foi o "corolário de um processo mal conduzido durante três anos".

A ministra do Mar defendeu que "não é normal que a administração do Porto de Lisboa e o Governo se demitam de tentar promover a paz social", anunciando que, na próxima segunda-feira, se reunirá com os operadores e com o Sindicato dos Estivadores, que iniciou um período de greve a 14 de novembro, que se estenderá pelo menos até 20 de janeiro.

"A estratégia que vamos seguir é de promover o diálogo entre as partes", declarou a governante, quando questionada sobre o que o Governo fará para ultrapassar o conflito laboral no Porto de Lisboa, que se traduz numa ameaça de greve dos estivadores que impede os operadores de contratarem novos trabalhadores portuários.

Em resposta ao deputado do CDS-PP Hélder Amaral, Ana Paula Vitorino acusou o Governo anterior, liderado por Passos Coelho, de ter deixado "acumular este problema".

"Tivemos um ministério que, durante três anos, deixou acumular este problema. É curioso que seja o senhor deputado do CDS, que tinha o ministro desta pasta, que me venha perguntar o que resolvi em três semanas que o seu Governo não resolveu em três anos", afirmou a governante.

Na reunião com os estivadores e com os operadores do Porto de Lisboa, Ana Paula Vitorino vai "apelar fortemente para que exista a consciência de que a negociação é aproximação de duas partes", realçando que "no limite pode estar em risco o Porto de Lisboa, os postos de trabalho e os operadores".

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.