sicnot

Perfil

Economia

"Os Verdes" votam contra Retificativo apesar de reconhecerem rapidez ao Governo

O partido ecologista "Os Verdes" declarou hoje que vai votar contra o Orçamento Retificativo para 2015, mesmo reconhecendo a rapidez do Governo em atuar face ao problema do Banif.

Lusa

Lusa

MIGUEL A. LOPES

"Percebendo as circunstâncias, percebendo a urgência, Os Verdes não vão aceitar que sejam os contribuintes novamente chamados a pagar a responsabilidade dos banqueiros", vincou o deputado José Luís Ferreira em declarações no parlamento à agência Lusa.

A situação em torno do Banif e a necessidade do Retificativo "é responsabilidade por inteiro do anterior Governo", vincou o parlamentar: o executivo PS encarou a situação com "celeridade" e "fez mais em semanas que o anterior Governo em anos", mas mesmo assim o voto negativo dos ecologistas será uma certeza.

O Governo e o Banco de Portugal optaram pela venda do Banif ao Banco Santander Totta, por um valor de 150 milhões de euros, no âmbito da medida de resolução aplicada ao banco cuja maioria do capital pertencia ao Estado português, de forma a impedir a sua liquidação.

A operação "envolve um apoio público estimado em 2.255 milhões de euros, que visam cobrir contingências futuras, dos quais 489 milhões de euros pelo Fundo de Resolução e 1.766 milhões diretamente do Estado", disse o banco central, garantindo que esta solução "é a que melhor protege a estabilidade do sistema financeiro português".

No domingo à noite, em comunicado, o supervisor bancário divulgou a operação, explicando que a mesma foi tomada face às "imposições das instituições europeias", bem como devido à "inviabilização da venda voluntária do Banif".

"Esta solução garante a total proteção das poupanças das famílias e das empresas confiadas ao Banif, quer depósitos, quer obrigações seniores, bem como o financiamento à economia e a continuação dos serviços financeiros até aqui prestados", referiu o Banco de Portugal, acrescentando que vai manter-se o normal funcionamento dos serviços até agora prestados pela instituição.

Poucos minutos depois desta comunicação, o primeiro-ministro, António Costa, fez uma declaração sobre o assunto, admitindo que esta operação tem um "custo muito elevado para os contribuintes", mas que, no atual contexto, é a solução que "melhor defende o interesse nacional".

Lusa

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.