sicnot

Perfil

Economia

"Os Verdes" votam contra Retificativo apesar de reconhecerem rapidez ao Governo

O partido ecologista "Os Verdes" declarou hoje que vai votar contra o Orçamento Retificativo para 2015, mesmo reconhecendo a rapidez do Governo em atuar face ao problema do Banif.

Lusa

Lusa

MIGUEL A. LOPES

"Percebendo as circunstâncias, percebendo a urgência, Os Verdes não vão aceitar que sejam os contribuintes novamente chamados a pagar a responsabilidade dos banqueiros", vincou o deputado José Luís Ferreira em declarações no parlamento à agência Lusa.

A situação em torno do Banif e a necessidade do Retificativo "é responsabilidade por inteiro do anterior Governo", vincou o parlamentar: o executivo PS encarou a situação com "celeridade" e "fez mais em semanas que o anterior Governo em anos", mas mesmo assim o voto negativo dos ecologistas será uma certeza.

O Governo e o Banco de Portugal optaram pela venda do Banif ao Banco Santander Totta, por um valor de 150 milhões de euros, no âmbito da medida de resolução aplicada ao banco cuja maioria do capital pertencia ao Estado português, de forma a impedir a sua liquidação.

A operação "envolve um apoio público estimado em 2.255 milhões de euros, que visam cobrir contingências futuras, dos quais 489 milhões de euros pelo Fundo de Resolução e 1.766 milhões diretamente do Estado", disse o banco central, garantindo que esta solução "é a que melhor protege a estabilidade do sistema financeiro português".

No domingo à noite, em comunicado, o supervisor bancário divulgou a operação, explicando que a mesma foi tomada face às "imposições das instituições europeias", bem como devido à "inviabilização da venda voluntária do Banif".

"Esta solução garante a total proteção das poupanças das famílias e das empresas confiadas ao Banif, quer depósitos, quer obrigações seniores, bem como o financiamento à economia e a continuação dos serviços financeiros até aqui prestados", referiu o Banco de Portugal, acrescentando que vai manter-se o normal funcionamento dos serviços até agora prestados pela instituição.

Poucos minutos depois desta comunicação, o primeiro-ministro, António Costa, fez uma declaração sobre o assunto, admitindo que esta operação tem um "custo muito elevado para os contribuintes", mas que, no atual contexto, é a solução que "melhor defende o interesse nacional".

Lusa

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47