sicnot

Perfil

Economia

Prescrição de dívidas fiscais aumentou 200% em 2014, indica Tribunal de Contas

A prescrição de dívidas ao fisco aumentou 200% em 2014 face ao ano anterior, totalizando 1.310 milhões de euros, revela o parecer do Tribunal de Contas sobre a Conta Geral do Estado (CGE) de 2014.

De acordo com o documento, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) previa alcançar em 2014 o valor mais baixo da carteira de dívida desde 2003, por aumento da eficácia do sistema (SEFWeb), diminuição da instauração de processos e automatização de procedimentos, mas não foi o que aconteceu.

Na realidade, a nova funcionalidade foi implementada apenas para processos executivos provenientes de coimas e tributos sem quaisquer períodos de suspensão, pelo que o Tribunal de Contas recomenda que seja alargada "a todos os processos de execução fiscal", com vista ao reconhecimento eficaz das prescrições ocorridas e libertação de recursos humanos.

A dívida em cobrança coerciva, instaurada quando termina o prazo de pagamento voluntário dos tributos sem que o mesmo se mostre efetuado, atingiu os 11.009 milhões de euros, ou seja, cerca de 50% da dívida total, no valor de 21.373 milhões de euros (18.084 milhões de euros relativos à dívida transitada de 2013 mais 3.289 milhões de euros de dívida instaurada em 2014).

A dívida suspensa aumentou 933 milhões de euros em 2014, passando de 6.501 milhões de euros em 2013 para 7.434 milhões de euros em 2014, devido ao número crescente de situações de oposição à execução fiscal e dos casos de insolvência dos contribuintes devedores.

A cobrança coerciva do IVA representa apenas 6% da respetiva dívida, mas o IVA representa 50% da dívida incobrável (3.437 milhões de euros, dos quais 1.734 milhões relativos ao IVA) e 39% da dívida total no final de 2014 (18.164 milhões de euros, dos quais 7.012 milhões de euros de IVA), nota o Tribunal de Contas, recomendando ao fisco que identifique e reporte "as razões dessa incobrabilidade".

Cerca de 60% da dívida apurada em 2014 (18.164 milhões de euros) não é suscetível de cobrança devido a litígio ou falta de património dos devedores para garantir o pagamento, indica ainda o Tribunal de Contas.

A dívida ativa, ou seja, passível de ser cobrada, diminuiu para 7.293 milhões de euros devido ao aumento da dívida suspensa.

Em 2014, foram marcadas 3.271.999 penhoras, das quais 431.234 foram concretizadas, sendo os "créditos" o tipo de ativo que é mais frequentemente penhorado e de maior valor.

Na sequência das vendas efetuadas em resultado de penhoras foram depositados 155 milhões de euros dos quais 151 milhões (97%) resultantes da alienação de imóveis.

O Tribunal de Contas critica o facto de estar ainda por fixar um prazo legal para a redução e levantamento de penhoras em caso de pagamento ou erro, bem como "os termos para o imediato ressarcimento do contribuinte lesado em caso de incumprimento".

No ano passado registaram-se 468.694 pedidos de redução ou levantamento de penhoras, que tiveram um prazo de resposta médio de 10,6 dias, enquanto em 26.231 casos a resposta demorou 30 dias ou mais.

"A resposta a estes pedidos (...) deve ser objeto de rápida resolução, através de um prazo máximo", defende o Tribunal de Contas.

Também o prazo médio de restituição "continua excessivo".

Em 2014, foram efetuadas 24.561 restituições, no valor de 3.570 milhões de euros, com um prazo médio de 23,3 dias, mas que foi igual ou superior a 300 dias em seis casos e igual ou superior a 30 dias em 3.732 situações.

Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.