sicnot

Perfil

Economia

Défice orçamental atinge os 3,6% até setembro

O défice orçamental das administrações públicas fixou-se em 4.843,7 milhões de euros até setembro, ou seja, 3,6% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

De acordo com as contas trimestrais por setor institucional, publicadas hoje pelo INE, em contas nacionais, a ótica que conta para Bruxelas, nos três primeiros trimestres de 2015, "o saldo global das administrações públicas fixou-se em -4.843,7 milhões de euros, -3,6% do PIB", valor que compara com um défice de 8,9% em igual período do ano passado, ou de 5,1% excluindo a capitalização do Novo Banco.

O INE refere que "esta melhoria foi determinada sobretudo pela diminuição da despesa em 8%" nos primeiros nove meses do ano, refletindo o registo da capitalização do Novo Banco no período homólogo, mas também o aumento da receita total, de 2,2%.

Além disso, o INE destaca o aumento de 8,2% da receita com impostos sobre a produção e importação entre janeiro e setembro, representado 14,5% do PIB, o que compara com 13,8% do PIB do período anterior.

Segundo o INE, a capacidade de financiamento da economia portuguesa foi de 1,3% do PIB no terceiro trimestre deste ano, "idêntica à observada no trimestre anterior", e o saldo externo de bens e serviços aumentou para 0,6% do PIB (mais 0,2 pontos percentuais do que no trimestre anterior), tendo as exportações aumentado 0,9% e as importações crescido 0,3%.

Já a necessidade de financiamento das administrações públicas diminuiu 3,2 pontos percentuais, "fixando-se em 3,2% do PIB", um comportamento que se deve sobretudo ao "efeito base do registo da capitalização do Novo Banco como transferência de capital, ocorrida no terceiro trimestre de 2014".

O INE acrescenta que, "deduzindo esta transação, a redução da necessidade de financiamento das administrações públicas seria de 0,4 pontos percentuais."

Do lado da receita, o INE destaca o aumento de 2% dos impostos sobre a produção e importação no ano terminado em setembro de 2015 e também o crescimento de 1,8% dos impostos sobre o rendimento e património no mesmo período, tendo as outras componentes da receita estabilizado ou diminuído.

Já do lado da despesa, houve uma diminuição de 0,5% no terceiro trimestre, "traduzindo o decréscimo das prestações sociais, das despesas com pessoal, dos juros e das outras despesas correntes".

Em sentido contrário, o INE indica que as despesas com o consumo intermédio e os subsídios aumentaram, "parcialmente compensando a diminuição da despesa corrente".

Considerando apenas o terceiro trimestre de 2015, o défice das administrações públicas foi de 705,6 milhões de euros, o que corresponde a 1,5% do PIB.

O défice de 3,6% do PIB para o período entre janeiro e setembro deste ano situa-se dentro do intervalo que tinha sido estimado pela Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) para este período.

No início de dezembro, a UTAO estimou que "o défice das administrações públicas, em contabilidade nacional, se tenha situado entre 3,4% e 4,0% do PIB [Produto Interno Bruto] no período de janeiro a setembro de 2015", sendo o valor central da estimativa os 3,7%.

O valor hoje revelado pelo INE, de um défice de 3,6% até setembro, está acima da meta do anterior governo para a totalidade do ano (de 2,7%) e também é superior ao necessário para que o país saia do Procedimento dos Défices Excessivos (PDE), os 3%.

O atual Governo, liderado pelo socialista António Costa, tem vindo a defender que a meta de 2,7% com que o executivo de Pedro Passos Coelho se tinha comprometido junto dos credores internacionais não vai ser cumprida, mas garantiu que o défice orçamental ficará abaixo dos 3% este ano.

No entanto, estes compromissos foram assumidos antes de ser conhecida a necessidade de um Orçamento Retificativo para 2015, para acomodar o impacto da medida de resolução do Banif, que está hoje a ser discutido na Assembleia da República.

O Governo de António Costa aprovou na segunda-feira um Orçamento Retificativo, que conta com uma injeção total de 2.255 milhões de euros para financiar aquela medida de resolução.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, explicou na segunda-feira que "este dinheiro vem do Orçamento do Estado e vai refletir-se no défice do Estado de 2015 e vai também refletir-se nos défices futuros, na medida em que aumenta o endividamento do país", mas garantiu que "não terá consequências da avaliação do Procedimento de Défices Excessivos dada a natureza da operação".

Na terça-feira, a UTAO afirmou que Portugal "poderá beneficiar" de uma extensão de um ano no prazo para cumprir o défice orçamental de 3% do PIB, devido aos custos do resgate ao Banif.

Lusa

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.