sicnot

Perfil

Economia

Urbanos de Lisboa e do Porto serão os mais afetados pela greve na CP

Os comboios urbanos de Lisboa e do Porto serão os serviços mais afetados pela greve convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF) ao trabalho em dia feriado, podendo sentir-se já hoje alguns atrasos e supressões.

(Arquivo)

(Arquivo)

(AP)

Nos serviços Regional e InterRegional apenas se preveem perturbações pontuais e nos serviços de longo curso - Internacional, Alfa Pendular e Intercidades - a operação deverá ocorrer com normalidade, segundo a informação aos clientes disponibilizada na página oficial da CP - Comboios de Portugal.

A empresa antecipa perturbações nos comboios Urbanos de Lisboa e do Porto, mas estão definidos serviços mínimos pelo Tribunal Arbitral nomeado pelo Conselho Económico e Social, por ser um período de "confraternização familiar", que dá "origem a particulares carências de transporte".

Os atrasos e supressões devido à greve podem começar a sentir-se hoje, véspera do feriado de 25 de dezembro, dia de Natal, e prolongar-se na manhã de 26 de dezembro, adianta a empresa.

Em declarações à Lusa, José Manuel Oliveira, do SNTSF, acredita que a greve não trará perturbações na circulação de comboios no período de Natal.

"Por um lado, existem serviços mínimos e não há resistência aos serviços mínimos. A oferta será suficiente para responder à procura que será reduzida - até pelo facto de o feriado calhar a uma sexta-feira, o que fará com que as viagens sejam adiadas para o fim de semana", disse o dirigente sindical.

O pré-aviso de greve do SNTSF ao trabalho extraordinário, em dia de descanso semanal e em dia feriado pretende contestar os cortes à remuneração ao trabalho suplementar a que foram sujeitos os trabalhadores do Estado.

Lusa

  • FC Porto tenta recolocar-se cinco pontos à frente do Benfica
    2:13
  • "Vejam a cor da ceara: a parte mais amarela é provocada pelo stress"
    2:20
  • Rogério Alves "perplexo" com nomeação de Elina Fraga
    1:52

    País

    O antigo bastonário da Ordem dos Advogados, Rogério Alves, admite que ficou "perplexo" com a escolha de Elina Fraga para vice-presidente do PSD. Em entrevista ao DN e à TSF Rogério Alves acusa a também ex-bastonária de defender sempre o contrário do PSD e de se opor à modernização e simplificação da justiça.

  • "Matavam as crianças a tiro", os relatos de rohingyas que fugiram de Myanmar
    2:02
  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39