sicnot

Perfil

Economia

EDPR vende posição em ativos eólicos na Polónia e Itália à China Three Gorges

A EDP Renováveis (EDPR) anunciou hoje que chegou a acordo com a ACE Poland e Ace Italy, da China Three Gorges, para a venda de uma posição acionista representativa de 49% do capital social por 392 milhões de euros.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDPR, detida em 77,5% pela EDP, refere que através da sua subsidiária EDP Renewables Europe "chegou hoje a um acordo com a ACE Poland e ACE Italy, ambas detidas a 100% pelo ACE Investment Fund LP" para a venda de "uma participação acionista representativa de 49% do capital social e suprimentos relativos a um portefólio de ativos eólicos de 598 MW [megawatts] de capacidade na Polónia e em Itália, por um preço global de 392 milhões de euros".

A ACE Investment Fund LP é uma entidade participada pela China Three Gorges Hong Kong, subsidiária integral da China Three Gorges (CTG).

"O perímetro da transação abrange 392 MW de parques eólicos em operação na Polónia e 100 MW em Itália, com uma vida média de quatro anos, assim como 107 MW em fase de construção na Polónia e em Itália", refere a EDPR.

Tendo em conta o preço global da transação, o 'enterprise value' (EV) implícito para a totalidade dos ativos ascende a 1.040 milhões de euros, distribuídos por 800 milhões de euros de capitais próprios e suprimentos (incluindo o montante de investimento esperado para os projetos atualmente em fase de construção) e 240 milhões de euros relativos a dívida externa.

De acordo com a EDPR, o múltiplo EV/MW ('enterprise value'/megawatts) "implícito na transação ascende a 1,74 milhões de euros por MW", adiantando que a operação está sujeita à prévia obtenção de autorizações regulatórias e outras condições precedentes, com a conclusão prevista para o primeiro semestre do próximo ano.

"O acordo hoje alcançado insere-se no contexto da parceria estratégica estabelecida entre a EDP e a CTG, em relação ao investimento total de dois mil milhões a efetuar pela CTG (incluindo cofinanciamento de investimento operacional) em projetos de produção de energia renovável operacionais e prontos a construir", conclui a EDPR.

Lusa

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC