sicnot

Perfil

Economia

Governo brasileiro aumenta salário mínimo para o próximo ano em 11,6%

O salário mínimo para 2016 no Brasil foi esta terça-feira fixado pela Presidente da República, Dilma Rousseff, em 880 reais, num decreto que será publicado no Diário Oficial da União na quarta-feira, indicou a presidência em comunicado.

(Arquivo)

(Arquivo)

© STRINGER Brazil / Reuters

"Com o decreto assinado hoje pela Presidente Dilma Rousseff, o Governo federal dá continuidade à sua política de valorização do salário mínimo, com impacto direto sobre cerca de 40 milhões de trabalhadores e aposentados", lê-se no documento.

Com este aumento de 11,6%, para 880 reais (cerca de 208 euros) a partir de 01 de janeiro, o Governo federal brasileiro pretende compensar a inflação acumulada durante este ano que, segundo analistas privados e o Banco Central do Brasil, se cifrará em quase 11%.

O ministro do Trabalho & Previdência Social brasileiro, Miguel Rossetto, falará à imprensa às 15:00 locais (17:00 em Lisboa) na sede do seu ministério, refere ainda a nota da Presidência.

Lusa

  • Recessão no Brasil é considerada a pior dos últimos 25 anos
    2:47

    Mundo

    A iminência da destituição da presidente Dilma Roussef, está a aumentar a crise política no Brasil e pode agravar ainda mais, a situação da economia. O país chega ao final deste ano, com uma enorme retração nos índices económicos e, como explica a correspondente Ivani Flora, as projeções para 2016, não são propriamente as melhores.

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.