sicnot

Perfil

Economia

Valor das compras por Multibanco sobe 7,3%

As compras realizadas nos terminais de pagamento automático da rede Multibanco entre 23 de novembro e 27 de dezembro ascenderam a 3.712 milhões de euros, mais 7,3% que em igual período de 2014, anunciou hoje a SIBS.

(SIC/Arquivo)

(SIC/Arquivo)

De acordo com a gestora da rede Multibanco, entre 23 de novembro e 27 de dezembro, foram efetuadas 93,4 milhões de compras através dos terminais de pagamento automático (TPA), um aumento de 11,7% face ao período homólogo do ano passado.

Em compras, o valor médio dos pagamentos em lojas foi de 40 euros, uma quebra de 3,9% face a um ano antes.

No período em análise foram registados 45,5 milhões de levantamentos (-0,6%) nas caixas automáticas da rede Multibanco, no montante de 2.803 milhões de euros (+1,4%), que em período homólogo.

O valor médio levantado por dia foi de 67 euros, mais 2% que um ano antes.

"Nesta semana, e em comparação com o ano anterior, registou-se um aumento global (levantamentos e compras) dos volumes processados na rede Multibanco de 7,6% no número de operações e de 4,7% no montante transacionado", adianta a SIBS nas suas estatísticas.

O 23 de dezembro deste ano é, até agora, "o dia com mais operações efetuadas na rede Multibanco", refere a gestora, que salienta que nessa data "foram registadas seis milhões de operações na rede, o que representou um crescimento de 6,3% face ao mesmo dia de 2014".

Além disso, foi também ultrapassado "em cerca de 3%" o valor registado no ano passado.

"Pelas 13:00 de dia 24 de dezembro de 2015 registou-se na rede Multibanco (caixas automáticas e terminais de pagamento) um pico de 220 transações por segundo, com um tempo de resposta médio de 0,18 segundos nos levantamentos e 0,20 segundos nas compras", aponta a SIBS.

Lusa

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.