sicnot

Perfil

Economia

FMI diz que União Europeia deve continuar atenta a Portugal em 2016

O economista-chefe do FMI afirmou hoje que a União Europeia deve continuar atenta aos desenvolvimentos em Portugal, Espanha, na Grécia e na Ucrânia em 2016, considerando que representam os maiores desafios europeus a seguir à crise dos refugiados.

© Mariana Bazo / Reuters

"Além da crise dos refugiados, a Europa enfrenta outros problemas políticos e económicos -- da Península Ibérica, da Grécia e da Ucrânia", afirmou o economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Maurice Obstfeld, numa entrevista sobre os desafios económicos mundiais em 2016, publicada hoje na revista da instituição, 'IMF Survey Magazine'.

"A crise dos refugiados provenientes do Iraque e da Síria representa um grande desafio à capacidade de absorção das economias da União Europeia, aos seus mercados de trabalho, mas principalmente aos seus sistemas políticos", considerou Maurice Obstfeld.

Para o economista-chefe do FMI, o projeto de uma polícia comum de fronteiras e as tensões relacionadas com a liberdade de circulação "também merecem atenção".

"Não nos devemos esquecer que países como o Líbano, a Jordânia e a Turquia estão na primeira linha da crise dos refugiados", disse.

Maurice Obstfeld admitiu que "o desenvolvimento destas tensões durante o ano vai ser determinante nos resultados macroeconómicos a nível regional e global".

O economista afirmou também que a China vai continuar a ser um país a acompanhar com atenção durante este ano, uma vez que "a sua economia está a abrandar à medida" que muda de investimento e produção para consumo e serviços e que uma taxa de crescimento abaixo das metas do Governo da China "pode assustar os mercados internacionais".

O economista-chefe do FMI considera que 2016 "será abundante em desafios" e que também as economias emergentes vão continuar em destaque, enumerando a queda no fluxo de capitais, o aumento dos juros das dívidas públicas, o enfraquecimento da moeda e o abrandamento do crescimento nestes países.

Além disso, lembrou, "o sentimento nos mercados financeiros é sorumbático no final de 2015", o que "pode criar incerteza em 2016", apesar das medidas tomadas pelo Banco Central Europeu (BCE), pela Reserva Federal norte-americana (Fed) e pelo Banco Central do Japão.

Por fim, Maurice Obstfeld considerou que a desigualdade também merece atenção em 2016: "Apesar de uma convergência considerável no rendimento 'per capita' a nível mundial, não se seguiu uma distribuição de rendimento mais equitativa entre os países".

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.