sicnot

Perfil

Economia

FMI diz que União Europeia deve continuar atenta a Portugal em 2016

O economista-chefe do FMI afirmou hoje que a União Europeia deve continuar atenta aos desenvolvimentos em Portugal, Espanha, na Grécia e na Ucrânia em 2016, considerando que representam os maiores desafios europeus a seguir à crise dos refugiados.

© Mariana Bazo / Reuters

"Além da crise dos refugiados, a Europa enfrenta outros problemas políticos e económicos -- da Península Ibérica, da Grécia e da Ucrânia", afirmou o economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Maurice Obstfeld, numa entrevista sobre os desafios económicos mundiais em 2016, publicada hoje na revista da instituição, 'IMF Survey Magazine'.

"A crise dos refugiados provenientes do Iraque e da Síria representa um grande desafio à capacidade de absorção das economias da União Europeia, aos seus mercados de trabalho, mas principalmente aos seus sistemas políticos", considerou Maurice Obstfeld.

Para o economista-chefe do FMI, o projeto de uma polícia comum de fronteiras e as tensões relacionadas com a liberdade de circulação "também merecem atenção".

"Não nos devemos esquecer que países como o Líbano, a Jordânia e a Turquia estão na primeira linha da crise dos refugiados", disse.

Maurice Obstfeld admitiu que "o desenvolvimento destas tensões durante o ano vai ser determinante nos resultados macroeconómicos a nível regional e global".

O economista afirmou também que a China vai continuar a ser um país a acompanhar com atenção durante este ano, uma vez que "a sua economia está a abrandar à medida" que muda de investimento e produção para consumo e serviços e que uma taxa de crescimento abaixo das metas do Governo da China "pode assustar os mercados internacionais".

O economista-chefe do FMI considera que 2016 "será abundante em desafios" e que também as economias emergentes vão continuar em destaque, enumerando a queda no fluxo de capitais, o aumento dos juros das dívidas públicas, o enfraquecimento da moeda e o abrandamento do crescimento nestes países.

Além disso, lembrou, "o sentimento nos mercados financeiros é sorumbático no final de 2015", o que "pode criar incerteza em 2016", apesar das medidas tomadas pelo Banco Central Europeu (BCE), pela Reserva Federal norte-americana (Fed) e pelo Banco Central do Japão.

Por fim, Maurice Obstfeld considerou que a desigualdade também merece atenção em 2016: "Apesar de uma convergência considerável no rendimento 'per capita' a nível mundial, não se seguiu uma distribuição de rendimento mais equitativa entre os países".

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.