sicnot

Perfil

Economia

Confiança dos consumidores cai em dezembro e clima económico desce nos últimos 3 meses

O indicador de confiança dos consumidores caiu em dezembro, mas menos acentuadamente que no mês anterior, assim como o indicador de clima económico também diminuiu entre outubro e dezembro, depois de dois meses de estabilização, divulgou hoje o INE.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

LUSA

O Instituto Nacional de Estatística (INE) destaca que o indicador de confiança dos consumidores diminuiu em dezembro, mas menos acentuadamente do que em novembro, depois de ter estabilizado em outubro no valor mais elevado desde abril de 2001.

O INE justifica a redução do indicador de confiança com "o contributo negativo das perspetivas relativas à evolução da situação económica do país e do desemprego" e destaca que "não considerando médias móveis de três meses, o indicador aumentou em dezembro".

O indicador de confiança da indústria transformadora aumentou em dezembro, devido ao contributo positivo de todas as componentes, apreciações sobre a procura global e sobre os 'stocks' de produtos acabados e perspetivas de produção.

Já o indicador de confiança da construção e obras públicas agravou-se em novembro e dezembro, devido ao comportamento negativo das duas componentes, perspetivas de emprego e opiniões sobre a carteira de encomendas, enquanto o indicador de confiança do comércio aumentou ligeiramente em dezembro, devido ao contributo positivo das expectativas de atividade e das opiniões sobre o volume de 'stocks', enquanto as apreciações sobre o volume de vendas contribuíram negativamente.

O indicador de confiança dos serviços caiu nos últimos três meses, devido à evolução negativa das opiniões sobre a atividade da empresa e sobre a evolução da carteira de encomendas, mais intensa no primeiro caso.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.